CB.Poder

Comércio aposta nas vendas de fim de ano para aquecer economia

Em entrevista ao CB.Poder desta segunda-feira (1/11), o representante do Sindivarejista revelou que a expectativa é de crescimento de 9% a 13% nas vendas durante o natal e o ano novo

Rafaela Martins
postado em 01/11/2021 15:12
 (crédito:  Marcelo Ferreira/CB/DA Press)
(crédito: Marcelo Ferreira/CB/DA Press)

O vice-presidente do Sindicato do Sistema Comércio (Sindivarejista) Sebastião Abritta foi o entrevistado do CB.Poder desta segunda-feira (1º/11) — programa do Correio Braziliense em parceria com a TV Brasília. Na bancada, a conversa foi conduzida pelo jornalista Vicente Nunes. De acordo com o responsável, o comércio do DF espera ter um crescimento de 9% a 13% nas vendas com as datas comemorativas do fim de ano.

Com a pandemia do novo coronavírus, o varejo da capital federal passou por dificuldades. O vice-presidente revelou que a expectativa é alta para a retomada do comércio. “Ano passado geramos cerca de 1 mil vagas temporárias de emprego, mas este ano pode chegar a 2 mil. Estamos otimistas para movimentar lojas de rua e lojas de shopping center. Por conta da pandemia, o consumidor estava tímido para ir às ruas, mas com o aumento da vacinação e a queda das infecções, isso deve melhorar”, contou Sebastião.

Questionado sobre a geração de empregos efetivos por meio das vagas temporárias, o responsável pelo sindicato contou que de 10% a 20% do pessoal com certeza será contratado em janeiro de 2022. “O natal para nós é a data comemorativa mais importante. A nossa missão é que o varejista abra mais lojas e gere mais empregos. Para ser contratado, tudo vai depender do desempenho de cada um e do trabalho que ele vai exercer nesse período”, explicou.

Vice-presidente do Sindicato do Sistema Comércio (Sindivarejista) foi o entrevistado do CB.Poder desta segunda
Vice-presidente do Sindicato do Sistema Comércio (Sindivarejista) foi o entrevistado do CB.Poder desta segunda (foto: Marcelo Ferreira/CB/DA Press)

Inflação

O Sindivarejista espera que o brasiliense tenha o natal das lembrancinhas. Mesmo com os impactos financeiros causados pela pandemia, o consumo não parou. Quem lidera são as compras com cartões de créditos ou dinheiro, principalmente no entorno do Distrito Federal, que segue aquecendo o setor varejista. Para o Sindivarejista, o pagamento eletrônico instantâneo, conhecido como PIX, não decolou como esperado.

“Mesmo com a inflação corroendo o poder de compra, estamos com a expectativa de ter o valor médio do presente em torno de R$ 270, diferentemente do ano passado que foi em torno de R$ 230. Consumidor na rua é sinal de venda, você retraído em casa e sem perspectiva de sair, vai acabar comprando pijama. Então, estamos apostando nos resultados das vendas em cartões ou dinheiro”, falou Sebastião

A expectativa do sindicato é sustentada pelo recebimento do 13° para o trabalhador em dezembro. O 13° deve injetar mais de 7,8 bilhões na economia do DF no mês de dezembro. “Tem consumidor que vai limpar o nome e fazer novas compras por meio do cartão de crédito, e tem consumidor que está com o CPF em dia e vai fazer compra nas lojas”, explicou o vice-presidente.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE