Feminicídio

Morte em motel no DF foi feminicídio; membro de facção agrediu a jovem

Pelo menos três envolvidos são integrantes da maior facção do DF, o Comboio do Cão. Um dos foragidos é o companheiro da vítima, Ruan Rodrigues de Souza, conhecido como R7

Darcianne Diogo
postado em 05/11/2021 16:28 / atualizado em 05/11/2021 16:39
 (crédito: Redes sociais)
(crédito: Redes sociais)

A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) concluiu que Ana Carolina de Lima Araújo foi vítima de feminicídio. A jovem, 25 anos, morreu com um tiro na nuca e foi encontrada no Motel Play Time, na QSG de Taguatinga. Um homem foi preso pelos investigadores da 21ª Delegacia de Polícia (Taguatinga Sul) e dois estão foragidos. Um deles é o companheiro da vítima, Ruan Rodrigues de Souza, mais conhecido como R7, e integrante da facção Comboio do Cão (CDC), a maior organização criminosa de Brasília.

O Correio apurou que Ana Carolina mantinha relacionamento com Ruan e o suspeito teria descoberto uma traição dias antes do crime. Na madrugada de domingo (31/10), o casal e, pelo menos, outras três pessoas estavam bebendo em uma casa e resolveram ir até o motel. O grupo permaneceu na suíte por pouco mais de duas horas. Às 4h11, eles pediram a conta e foram embora a pé.

Quando funcionários do motel foram fazer a limpeza do quarto, encontraram o corpo da jovem com uma marca de tiro na nuca. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e a Polícia Militar do DF foram acionados, mas Ana Carolina estava sem vida. Segundo as investigações, havia sinais de luta no quarto e a jovem apresentava sinais de agressões. Por isso, o caso é tratado como feminicídio.

O homem que foi preso também é integrante da facção criminosa e é identificado como Pedro Henrique Sampaio, vulgo Zoio. Ele quem teria efetuado o disparo de arma de fogo contra a jovem. Além de Ruan, continua foragido José de Alencar Fernandes Filho, apelidado como Filhote.

Agressor


Ruan Rodrigues teve a prisão temporária deferida pela Justiça nesta quinta-feira (4/11) e encontra-se foragido. O criminoso é integrante do Comboio do Cão e é o mesmo que aparece em um vídeo ameaçando rivais moradores do Guará 1 (veja o vídeo abaixo).

Se intitulando como R7, Ruan faz ameaças e diz: “Parceiro, nós ‘tá’ dominando. [...] ‘Tamo’ armado e os cabra ‘tão’ tudo morrendo. Tem um ali no Guará para nós matar. Tem um ali que tentou contra nós, no Guará 1. Declarou ‘cabuloso’ contra o Comboio (referindo-se à facção”, falou.

No vídeo, aparecem, ainda, outros dois homens no carro. Um deles, que está no banco do passageiro, carrega duas pistolas no colo. O Correio teve acesso ao mandado de prisão expedido pela Justiça. No documento, ressalta-se que a prisão temporária do acusado “é imprescindível para a continuidade das investigações, porquanto será possível ouvi-los para esclarecer a dinâmica do crime e indicar a localização da arma utilizada para confronto balístico. Somado a isso, também é indispensável garantir a integridade física das testemunhas.”

Como consta na decisão, R7 é membro do Comboio do Cão. “Assim, entendo que a medida se mostra necessária a fim de localizar a arma utilizada no crime para possível confronto balístico e apreender os celulares dos envolvidos para verificar a existência de conversas ou de qualquer outro elemento de convicção do crime.”

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE