Chuva

Alerta para tempestades no DF; saiba como se proteger

Distrito Federal terá fortes precipitações até abril. Curtos períodos de sol alternados com pancadas e raios são esperados para hoje e amanhã. O brasiliense deve estar alerta para os riscos

Marilene Almeida*
postado em 20/02/2022 06:00
 (crédito: Minervino Júnior/CB/D.A.Press)
(crédito: Minervino Júnior/CB/D.A.Press)

A previsão este domingo (19/2) é de muitas nuvens, e curtos períodos de sol com pancadas de chuvas intensas, acompanhadas de raios e rajadas de vento, em alguns pontos com temperatura mínima de 17°C podendo subir até 24°C. Se houver grande volume de chuva em pouco intervalo de tempo, há chance de alagamento de vias e terrenos porque os bueiros não conseguem dar vazão para altos volumes de água, como já visto no decorrer da semana em pontos do Distrito Federal. A queda de um muro, no Riacho Fundo, por exemplo, levou à interdição de cinco casas pela Defesa Civil. O incidente aconteceu no último dia 5, e mobilizou 20 bombeiros.

Estar no meio de uma tempestade é um risco. De acordo com o meteorologista Olivio Bahia, 53, o aumento de água nas pistas na hora da chuva as transforma em verdadeiro sabonete, sem falar na visibilidade que fica bastante reduzida. "Quanto mais forte a chuva, menor é a visibilidade, aumentando o risco de acidentes, por isso a recomendação para o motorista é redobrar a atenção se a chuva for muito intensa. É recomendável que o condutor procure um acostamento até a intensidade diminuir", aconselha o meteorologista. 

Verão

As chuvas de verão trouxeram desastres naturais a diversas partes do país, como em Petrópolis (RJ), onde deslizamentos de terra causaram uma tragédia que já contabiliza mais de 130 mortos e pelo menos 116 pessoas desaparecidas, de acordo com a Polícia Civil. Mais de 500 militares trabalham espalhados em 52 pontos. Cerca de 24 pessoas foram resgatadas com vida e outras 849 estão desabrigadas.

O principal fator para que ocorra uma tempestade é o excesso de chuvas e contribuintes como rajadas de vento, raios, trovões e granizos. Este grande volume de água em conjunto com a ocupação desordenada e o desmatamento de morros e encostas são os principais fatores de risco para a ocorrência do desastre. Isso porque a vegetação ameniza os impactos causados pela chuva, já que suas raízes ajudam a estabilizar o solo, e, sem essa vegetação, o terreno fica vulnerável à queda.

A Defesa Civil do Distrito Federal alerta para os riscos deslizamentos, inundações, danos parciais ou totais de estruturas, cortes nas linhas de energia elétrica, além de baixa visibilidade por conta do grande volume de água.

Trovões e relâmpagos

De acordo com a especialista, Ana Paula Paes dos Santos, integrante da equipe do Instituto de Pesquisas Espaciais (INPE) que estuda Descargas Elétricas no país, o fenômeno ocorre dentro das nuvens cumulusnimbus, onde "ocorrem grandes atritos entre as partículas de gelo que geram as descargas atmosféricas que conhecemos como raio. Com elas, vêm também a tempestade e grandes rajadas de vento", explica.

Os raios podem causar grande impacto nos setores elétricos, de telecomunicação, e são atraídos quase sempre por objetos pontiagudos que estão a menor distância entre o céu e o solo, Segundo a especialista, em média, caem 78 milhões de descargas que atingem o Brasil e acontecem principalmente no verão e na primavera.

O recomendável é que a pessoa esteja abrigada em um lugar seguro, de preferência em casa enquanto houver tempestades, com todos os eletrodomésticos fora da tomada. Finaliza a especialista.

*Estagiária sob a supervisão de Layrce de Lima

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE