ANIVERSÁRIO

Ativista cultural e testemunha da resistência dos ceilandenses

Uma das mais ativas representantes da cena cultural da cidade, Margô Oliveira destaca a resistência dos ceilandenses

Naum Giló*
postado em 27/03/2022 05:01
 (crédito: Fotos: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
(crédito: Fotos: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

A ativista cultural Margô Oliveira chegou a Ceilândia em 1974, vinda de sua terra natal, Minas Gerais, ainda criança. De lá para cá, testemunhou a precária região se tornar uma cidade urbanizada e populosa. "É um caso de amor. Aqui, cresci, estudei e criei meus filhos. Ceilândia significa essa força, com gente de todos os lugares. É a cidade que acolhe quem chega, lugar de resistência", descreve.

Margô é figura importante para a cultura da maior cidade do Distrito Federal. Ao longo de três gestões, passou nove anos como integrante do Conselho de Cultura de Ceilândia. Entre os projetos que tocou, teve o Romaria Poética, que levou oficinas de literatura, cordel, teatro de mamulengo e apresentações de poesia e musicais para escolas e espaços públicos da cidade, como feiras e praças.

Com foco na cultura popular, a iniciativa, que teve a última edição no fim do ano passado, levou ritmos tradicionais para a população carente, como bumba meu boi, cavalo-marinho, coco, maracatu e ciranda.

Confira o especial Ceilândia 51 anos

"A gente tem um potencial artístico muito grande e eu espero que os governantes olhem com mais carinho para esse povo e ofereçam a ele o que merece, como acesso à saúde e cultura. Ações precisam ser criadas, com escolas melhores, mais professores"... Ceilandense de coração ela destaca: "O tempo todo juntamos forças para seguir em frente. Isso que me inspira. Ceilândia me inspira esperança".

 


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE