Eleições 2022

Projeto incentiva emissão do título de eleitor em escolas públicas do DF

Grupo Mulheres do Brasil promove campanha nacional com palestras sobre a importância do voto. Nessa sexta-feira (29/4), núcleo distrital do projeto levou ação a 10 colégios públicos. Registro de jovens de 16 e 17 anos com documento em dia tem caído desde 2014 na capital federal

Pedro Marra
postado em 30/04/2022 06:00 / atualizado em 03/05/2022 21:41
 (crédito: Ed Alves/CB/D.A Press)
(crédito: Ed Alves/CB/D.A Press)

Até março último, o Distrito Federal tinha 13,8 mil adolescentes de 16 e 17 anos com título de eleitor em situação regular, segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). No mesmo mês de 2018, ano das últimas eleições gerais, havia 16,7 mil jovens cadastrados — hoje, são 17% a menos. Na tentativa de mudar esse cenário, diante da aproximação do prazo final para emissão do documento (4 de maio), o Grupo Mulheres do Brasil — Núcleo DF promoveu, nessa sexta-feira (29/4), a campanha Quem elege meu futuro sou eu. A iniciativa ocorreu em 10 escolas públicas do DF, com foco nesse público-alvo, ainda com voto facultativo.

Mais de 18,8 mil estudantes assistiram às palestras das coordenadoras do projeto. À frente do projeto no colégio Setor Leste, Alisson Fernandes, 17 anos, comentou que alguns colegas consideram política um tema "chato". Mesmo assim, ele não mede esforços para explicar aos jovens que conhece sobre a importância do voto. "Tomei essa frente porque vi que tem havido uma redução muito grande de jovens (com título de eleitor). Colei cartazes nas portas das salas, divulguei (chamadas) na rádio da escola e soltei um card em grupos de celular de todas as turmas, com uma mensagem de conscientização sobre a importância de votar", detalhou o aluno do 3º ano do ensino médio.

Além disso, Alisson deu início a um mutirão para incentivar os demais estudantes. Até terça-feira, ele ficará na sala de informática do colégio para ajudar aqueles que não conseguiram emitir o título. Ele lembra que o voto é um instrumento precioso e um pilar da democracia: "Nós, jovens, devemos nos aproximar das decisões, não sendo meros coadjuvantes, mas atores do cenário principal", disse, em comunicado enviado aos colegas pelos grupos de celular.

Uma das coordenadoras da campanha, Luciana Roscoe contou que a equipe do Mulheres do Brasil passou por escolas em Planaltina, Sobradinho, Taguatinga, Ceilândia e no Plano Piloto, em uma espécie de Tour da Cidadania. "E vamos convidar três monitores do grêmio estudantil de cada uma delas para distribuir um panfleto com o passo a passo sobre como tirar o título de eleitor", adiantou. Ela ressaltou que o grupo tem caráter apartidário e que a preocupação se dá pela queda na quantidade de jovens com o documento regularizado. "Eles precisam ouvir sobre a importância do voto, que pode mudar o futuro deles e do Brasil."

A campanha ocorre em vários estados do país, para estimular os jovens que completam 16 anos até o dia da eleição, em 2 de outubro. A fim de ampliar o alcance da campanha, o núcleo distrital do grupo firmou parceria com a Secretaria de Estado de Justiça e Cidadania (Sejus), que disponibilizou a carreta do Na Hora e somou esforços por meio da Ação Comunitária Integrada Sol Nascente e Pôr do Sol, no último sábado. Neste sábado (30/4), a iniciativa chegará ao Complexo Cultural de Samambaia Sul, inclusive com serviços de assistência social.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE