Economia

Comércio variado e movimentado de Águas Claras atrai investimentos

Conhecida pela grande quantidade de prédios com moradores de alto poder aquisitivo, Águas Claras, que hoje completa 19 anos, é um atrativo para comerciantes e tem uma participação importante na economia da capital federal

Thaís Moura
postado em 06/05/2022 06:00
Josie Mateus mantém o otimismo: "Fabricamos mil bolos por dia"  -  (crédito: Fotos: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
Josie Mateus mantém o otimismo: "Fabricamos mil bolos por dia" - (crédito: Fotos: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

Quando Alexandre Maciel decidiu abrir um emprendimento em Águas Claras, há 18 anos, ele já imaginava que a cidade ajudaria a impulsionar as vendas e que se tornaria um dos principais polos comerciais do Distrito Federal. O empresário se mudou do Sudoeste para Águas Claras um ano depois que o local foi oficializado como uma região administrativa (RA), e na época, o projeto já previa que seria uma cidade com perfil de metrópole e com grande concentração habitacional. Hoje, faz 19 anos que Águas Claras foi oficializada como uma das 33 RAs do DF, mas a história da cidade, projetada pelo arquiteto e urbanista Paulo Zimbres, começou há cerca de 30 anos. 

Dono da loja de utilidades ObraLar, na Quadra 301, Alexandre também é morador de Águas Claras desde 2004. "Quando abri a loja aqui, tinha só um funcionário, e hoje nós temos 22. Neste período, tivemos um crescimento tão grande que não dá nem para mensurar, e por isso contratamos mais pessoas. Para mim, esse crescimento aconteceu porque a própria cidade se desenvolveu e a demanda por materiais de construção e de utilidades para a casa é bem alta nesta região", conta o empresário. Mesmo durante a pandemia, as vendas continuaram em alta, segundo ele.

  • Alexandre Maciel: mais empregados contratados Reprodução/Arquivo Pessoal/Alexandre Maciel
  • Josie Mateus mantém o otimismo: "Fabricamos mil bolos por dia" Fotos: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press
  • Josenildo José: conseguimos recontratar todos os demitidos na pandemia Marcelo Ferreira/CB/D.A Press

O segmento de bolos artesanais também é um negócio lucrativo e que faz girar a economia de Águas Claras. Para dar conta da alta demanda da região, a Bolos do Flávio funciona 24h por dia. A gerente da unidade, Josie Mateus, conta que, entre as 15 unidades do Distrito Federal, a loja na Avenida das Araucárias, fundada em 2011, é a que mais vende. "É nesta loja que temos também a fábrica dos bolos, que distribui para todas lojas da capital. Temos um excelente público em Águas Claras, vários clientes fiéis, que continuaram vindo e pedindo muitos bolos por delivery, mesmo durante o isolamento social", explica a gerente. De acordo com o proprietário do empreendimento, Flávio Cavalcante, apenas a unidade de Águas Claras, com 32 funcionários, vende mais de mil bolos por dia, sendo que a rede inteira vende em torno de 4 mil.

A procura por produtos orgânicos e naturais também é forte em Águas Claras, segundo a gerente da BioMundo da Avenida das Araucárias, Fátima Fernandes. No entanto, Fátima conta que, por causa da pandemia, que fez aumentar o preço de importação dos produtos, a unidade sentiu uma queda nas vendas. "O movimento aqui em Águas era excelente antes da pandemia, tínhamos muitos clientes fiéis, pessoas que moravam perto e procuravam uma alimentação mais saudável. Mas, com o isolamento social, todas unidades, de todas regiões, perderam um pouco da clientela. Estamos tentando recuperar as vendas de antes, e estamos fazendo delivery para isso também, procurando parcerias, mas pelo potencial da região, acho que em Águas Claras isso pode acontecer em até uns três meses, por aí", afirma.

Otimismo

A São Tomás Festas e Embalagens, também na Avenida das Araucárias, é outra loja que enfrentou dificuldades durante a pandemia. Hoje em dia, no entanto, o lucro do empreendimento voltou a crescer e  está quase no mesmo nível de antes, segundo o gerente e vendedor Josenildo da Silva, que trabalha há três anos no local. "Na pandemia, tivemos que demitir dois funcionários, mas depois, conseguimos recontratar todos. As vendas estão boas agora, mas acho que vão aumentar ainda mais no mês de junho, quando muitas festas juninas acontecem na cidade", diz Josenildo.

De acordo com a última Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios (PDAD), divulgada pela Companhia de Planejamento do DF (Codeplan-DF), entre 2015 e 2018, mais de 192,2 mil pessoas migraram de uma RA para outra, e Águas Claras foi a que mais recebeu pessoas neste período, com cerca de 29 mil novos moradores. Para a Administração Regional da cidade, o aumento populacional constante e a forte concentração de microempreendedores individuais (MEI's) são fatores que contribuem para manter a economia de Águas Claras aquecida.

De acordo com o presidente do Sindicato do Comércio Varejista do DF (Sindivarejista-DF), Sebastião Abritta, a região de Águas Claras é essencial para o desenvolvimento socioeconômico do DF. "O comércio da cidade gera muito emprego e renda para a capital, e além disso, atende a uma população muito grande, não só habitantes de Águas Claras, ela alcança parte da população de Taguatinga, porque as duas regiões estão muito próximas uma da outra", explica. "O alto poder aquisitivo da população de Águas Claras, quando comparado com o de outras regiões, também faz a cidade se destacar em termos de consumo e economia."

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE