Dia dos Namorados

Assim como Eduardo e Mônica, da música, casais se conheceram na capital

O Correio conta a história de amor de três casais que tiveram Brasília como cenário nos primeiros encontros, bem ao estilo da música da Legião Urbana

Thaís Moura
postado em 12/06/2022 06:00
Vanessa e Diego se conheceram dentro de um ônibus, em 2013 -  (crédito:  Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
Vanessa e Diego se conheceram dentro de um ônibus, em 2013 - (crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

Além de serem protagonistas de uma das músicas mais famosas da banda Legião Urbana, Eduardo e Mônica também são a prova de que, em Brasília, é possível viver histórias de amor dignas de se tornar filme. O casal mais conhecido da música brasileira é descrito por Renato Russo como um casal improvável, mas que, apesar dos perrengues, dos gostos e das rotinas diferentes, se apaixonaram e construíram uma história juntos no Distrito Federal. Em comemoração ao Dia dos Namorados, o Correio conta a história de três casais que, assim como Eduardo e Mônica, encontraram o amor por acaso, e que tiveram a capital federal como principal cenário para os primeiros encontros.

"Se encontraram sem querer"

A história de amor da empreendedora Paula Kzam, 35 anos, começou há exatamente oito anos, no Dia dos Namorados. Na época, ela trabalhava no Setor Bancário Sul. Certo dia, enquanto usava o metrô para chegar em casa, foi literalmente empurrada para os braços do namorado e programador de TI, Gustavo Delgado, de 41 anos. "A gente trabalhava perto um do outro e, naquele dia, os dois saíram mais cedo do trabalho porque era dia de jogo do Brasil. Ele já estava dentro do vagão quando entrei, porque pegou na estação Central, e eu, na estação Galeria. Como estava muito cheio, as pessoas me empurraram tanto que eu quase caí em cima dele, e ele me segurou", conta Paula.

  • Samuel (E) e Igor tiveram o primeiro encontro no Parque da Cidade Marcelo Ferreira/CB/D.A Press
  • Com metrô cheio, Paula foi praticamente empurrada para Gustavo Marcelo Ferreira/CB/D.A Press
  • Vanessa e Diego se conheceram dentro de um ônibus, em 2013 Marcelo Ferreira/CB/D.A Press

Paula e Gustavo conversaram durante a viagem inteira e depois trocaram telefones, assim como Eduardo e Mônica. O primeiro beijo do casal também aconteceu de forma inesperada, 20 dias após o encontro no metrô. "Ele sempre me chamava, por mensagem, para assistir a algum jogo com ele, mas eu nunca ia porque tinha medo, eu vim do Pará e ainda conhecia poucas pessoas em Brasília. Mas, um dia, eu estava passando por Águas Claras com minha amiga, avisei ele que estava lá, e ele me chamou para o bar com alguns amigos. Fui lá, mas não era para ser um encontro de verdade. Aconteceu por acaso. Saímos do bar e o papo continuou na casa de um amigo dele, e, quando esse amigo foi tomar banho, ele me beijou. Depois, nunca mais paramos de nos encontrar", narra a empreendedora.

Hoje, Paula e Gustavo moram juntos em Águas Claras e, também, são parceiros de trabalho em um negócio criado pela empreendedora. Apesar de terem personalidades diferentes, o casal namora há mais de sete anos. "Ela consegue maratonar séries sem parar, mas eu canso logo depois de um episódio. E eu tenho a necessidade de sair com mais frequência, não consigo ficar muito tempo sem ver a rua e outras pessoas, mas ela é mais caseira e conseguiria passar uma semana inteira trancada em casa", diz Gustavo. Apaixonados pelo pôr do sol de Brasília, cerveja artesanal e bandas de rock, os dois gostam de usar o tempo livre para entrar em contato com a natureza. 

"E a vontade crescia"

O romance de Paula e Gustavo não foi o único que teve um "empurrãozinho" dos meios de transporte públicos. O professor Diego Brian Coelho, 25 anos, conheceu a atual esposa e estudante de design gráfico, Vanessa Rodrigues, 25, dentro de um ônibus, em 7 de agosto de 2013, quando os dois voltavam de um curso de jovem aprendiz. Ambos tinham 16 anos na época, assim como Eduardo. Os dois faziam o mesmo curso, em Taguatinga, mas em turmas diferentes. "Eu morava no Cruzeiro e ela em Planaltina, do outro lado da cidade. Mas descobri, neste dia, que tinha um ônibus que ia de Taguatinga para a rodoviária e que passava pela minha casa antes. Por acaso, era o mesmo ônibus dela. Quando passei na catraca, começamos a trocar olhares e tomei coragem pra falar com ela", conta Diego.

Os dois começaram a conversar na hora e, a partir daí, nunca mais pararam. Eles trocaram telefones e depois que o curso acabou mantiveram contato por mensagem de texto. Mesmo quando eram apenas amigos, morando longe um do outro, a vontade de se encontrar crescia mais a cada dia. Vanessa e Diego deram o primeiro beijo em setembro de 2015, na Universidade de Brasília (UnB), onde estudaram juntos, e tiveram o primeiro encontro oficial alguns dias depois, na Torre de TV. "Escolhemos a torre porque era um lugar bonito que ficava no meio do caminho para os dois. É um lugar muito bonito e, assim como a UnB, marcou a nossa história, gostamos muito de ir lá", explica Diego. Hoje, o casal tem um filho de dois anos e está à espera de uma menina.

"No Parque da Cidade"

Para os namorados e universitários Samuel de Mattos, 24 anos, e Igor Rafael de Barros, 22, o amor chegou por meio de um aplicativo de encontros. Apesar de terem gostos bem diferentes, eles deram match no Tinder há cerca de dois anos e assim como Eduardo e Mônica, marcaram o primeiro encontro no Parque da Cidade, em 6 de novembro de 2020. O local virou ponto fixo de encontro do casal e o pedido de namoro também aconteceu lá, um mês depois. "Nos encontramos sempre ao lado do lago, gostamos de fazer piqueniques e de observar os patinhos. Foi muito difícil marcar o encontro porque nossa rotina era muito diferente, então conversamos muito por mensagem antes. Fiquei apaixonado assim que vi o Samuel pela primeira vez", conta Igor.

"O parque é muito especial para a gente, sempre vamos lá e o que mais gostamos de fazer em Brasília é passear pela natureza mesmo. Acho que a cidade tem um clima bem romântico, ainda mais na temporada de ipês. Neste dia dos namorados queremos dar uma passadinha no Parque e em outros locais com natureza, para ver o pôr do sol e lembrar dos nossos momentos juntos", acrescenta o estudante.

 


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE