Saúde

Criança que grudou olho com super cola não precisará de cirurgia

Médicos do Hospital de Base optaram por tratamento com uso de pomada e compressas. Segundo informações, a criança não corre risco de perder a visão

Correio Braziliense
postado em 22/06/2022 10:08 / atualizado em 22/06/2022 10:18
 (crédito: Reprodução/Arquivo pessoal)
(crédito: Reprodução/Arquivo pessoal)

A família da criança de 2 anos que grudou o olho, e outras partes do corpo, com cola instantânea, respira aliviada depois de avaliação médica e do começo do tratamento no Hospital de Base. O incidente com a criança aconteceu na última quinta-feira (16/6), em Ceilândia, e depois de diversas tentativas para ser avaliada pela equipe, a criança conseguiu atendimento com os oftalmologistas da unidade hospitalar.

De acordo com o superintendente do hospital, Nicolay Kircov, não será necessário uma cirurgia para a retirada da cola e desgrudar as pálpebras da criança. “A paciente não possui lesão ocular e não corre risco de perder a visão em razão do incidente. O tratamento foi feito da melhor forma possível, o que é possível ser demonstrado com o excelente resultado”, garante Nicolay.

Durante a avaliação da paciente, na semana passada, a equipe de oftalmologia do Hospital de Base decidiu pelo tratamento conservador, com uso de pomada e compressa com água morna. Nesta segunda-feira (20/6), a menina retornou ao hospital e de novo foi avaliada e internada para o corte de alguns cílios que ainda permaneciam colados.

Chefe da oftalmologia do hospital, Viviane Pereira explica que por se tratar de uma criança, a primeira opção de tratamento é clínica, por isso a tentativa inicial de remoção com compressas mornas. “De forma complementar, foi necessária abordagem, sob sedação, para descolar e cortar alguns cílios. O procedimento ocorreu sem intercorrências”, diz.

Entenda

A madrinha da menina de dois anos, Lia Lucena, de 54 anos, conta que ainda não se sabe ao certo como a criança conseguiu colar os olhos. “Eu não sei se a cola espirrou no olho dela ou se ela pegou o tubo e passou, mas grudou tudo imediatamente. Além dos cílios, a cola atingiu as mãos, a roupa e o corpo dela”, disse Lia.

Desde então, a família visita constantemente os hospitais de Base e o Hospital Regional da Asa Norte (HRAN) para garantir a saúde da filha.

Com informações Iges-DF

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE