Pandemia

Pacientes com pneumonia por Sars CoV-2 têm mais risco de desenvolver demência

Entre os 10.403 pacientes com pneumonia associada à covid, 312 (3%) apresentaram demência de início recente logo depois da recuperação

Paloma Oliveto
postado em 20/04/2022 06:00
 (crédito:  Justin Kelley/MU Health Care/Divulgação )
(crédito: Justin Kelley/MU Health Care/Divulgação )

Um novo estudo da Escola de Medicina da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, mostra que pacientes hospitalizados com pneumonia causada pelo Sars-CoV-2 têm maior risco de desenvolver demência do que aqueles com outros tipos de infecção pulmonar. Os cientistas extraíram dados de um banco contendo 1,4 bilhão de registros médicos, o Cerner Real World Data. Para a pesquisa, foram selecionadas informações referentes a hospitalizados com a inflamação nos pulmões persistente por mais de 24 horas. 

Entre os 10.403 pacientes com pneumonia associada à covid, 312 (3%) apresentaram demência de início recente logo depois da recuperação, em comparação com 263 (2,5%) dos demais 10.403 com outros tipos de inflmação nos pulmões, também diagnosticados com o problema cognitivo. Esse risco mostrou-se maior em pessoas acima de 70 anos, disse o principal autor, Adnan I. Qureshi , professor de neurologia clínica. "O tipo de demência observado em sobreviventes da infecção por covid afeta principalmente a memória, a capacidade de realizar tarefas cotidianas e a autorregulação. A linguagem e a consciência do tempo e da localização permaneceram relativamente preservadas", afirmou, em uma nota à imprensa.

O intervalo de tempo médio entre a infecção e o diagnóstico de demência foi de 182 dias para pacientes com covid-19. Qureshi disse que um estudo mais aprofundado e com acompanhamento por mais tempo poderá fornecer um quadro mais completo, ajudando a determinar os mecanismos pelos quais a pneumonia decorrente do Sars-CoV-2 pode afetar, a esse ponto, a cognição. "As descobertas sugerem a necessidade de uma triagem de déficits cognitivos entre os sobreviventes", disse. "Se houver evidência de comprometimento durante a triagem e se o paciente continuar a relatar sintomas cognitivos, pode ser necessário um encaminhamento para uma avaliação mais abrangente."

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE