CLIMA

Líderes mundiais precisam correr contra o tempo para cumprir Acordo de Paris

Revisão de ações e compromissos determinados voluntariamente por signatários do Acordo de Paris mostra que é possível chegar ao fim do século com um aumento de temperatura de até 2ºC

Paloma Oliveto
postado em 24/04/2022 06:00
Manifestantes ambientais protestam em Glasgow: apesar do ritmo lento no cumprimento de promessas, há esperança -  (crédito:  BEN STANSALL)
Manifestantes ambientais protestam em Glasgow: apesar do ritmo lento no cumprimento de promessas, há esperança - (crédito: BEN STANSALL)

Quando representantes de 195 países assinaram o histórico Acordo de Paris, há quase sete anos, concordaram não apenas em reduzir as emissões de gases de efeito estufa, mas que deveriam fazê-lo o mais breve possível. O documento, construído a partir de discussões direcionadas por evidências científicas, fala claramente na urgência da implementação de medidas para limitar o aumento de temperatura até o fim do século, as chamadas contribuições determinadas nacionalmente.

O acompanhamento dessas ações, contudo, mostra um ritmo tão lento que a meta mais ambiciosa — restringir a 1,5°C essa elevação, com base nos níveis pré-industriais — dificilmente será alcançada. Novas modelagens indicam, porém, que ainda é possível alcançar, ao menos, o alvo dos 2ºC. A mais recente, liderada pela Universidade de Melbourne, na Austrália, afirma que o resultado do Acordo de Paris não será um fiasco, como muitos já temem. Mas, para isso, é preciso que as nações cumpram todas as promessas individuais. O que será um grande desafio, destacam os autores.

O grupo de cientistas, que inclui pesquisadores da Agência Internacional de Energia (AIE) e da Organização das Nações Unidas (ONU), analisou os relatórios de 154 países que, nos últimos cinco anos, apresentaram novas metas ou objetivos revisados. Até antes da COP26, a Conferência Climática do ano passado, que aconteceu em Glasgow, as estimativas eram de que a chance de se alcançar o alvo dos 2ºC era menos de 50%.

Projeções

Porém, a nova análise, que também levou em conta os documentos científicos mais recentes do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC), calcula que há possibilidade de se chegar ao fim do século com um aumento de temperatura limitado a 1,8ºC e 2ºC, com a implementação total das promessas. Os autores projetaram retrospectivamente o aquecimento registrado no século 21 e combinaram esses dados com o nível de ambição das metas entre 2015 e 2021.

Além disso, incluíram no modelo projeções publicadas nos relatórios do IPCC. Se, por um lado, o objetivo principal do acordo poderá ser atingido, as chances do alvo mais ambicioso são praticamente inexistentes: entre 6% e 10%.

"O que nosso artigo mostra é que, se todos os países cumprirem todas as promessas de zero líquido (remover o tanto que se emite), teremos um aumento de 1,8ºC a 2ºC até o fim do século", explica Christophe McGlade, coautor do estudo e chefe da unidade de fornecimento de energia da AIE.

"Essa é uma grande notícia, porque é a primeira vez que os governos apresentam metas específicas que podem manter o aquecimento global abaixo do nível simbólico de 2ºC." A maioria dos países ricos anunciou que chegará à neutralidade de carbono até 2050, mesmo prazo apresentado pelo Brasil. A China e a Índia, importantes emissores, prometeram chegar a esse ponto em 2060 e 2070, respectivamente.

(FILES) In this file photo taken on July 1, 2021, United Nations Secretary general Antonio Guterres gives a press conference during his visit to the United Nations center for technology and communications in Quart the Poblet near Valencia. The United Nations chief on August 15, 2021 urged the Taliban to "exercise utmost restraint" in Afghanistan, hours after the militants entered the capital. (Photo by JOSE JORDAN / STR / AFP)
(FILES) In this file photo taken on July 1, 2021, United Nations Secretary general Antonio Guterres gives a press conference during his visit to the United Nations center for technology and communications in Quart the Poblet near Valencia. The United Nations chief on August 15, 2021 urged the Taliban to "exercise utmost restraint" in Afghanistan, hours after the militants entered the capital. (Photo by JOSE JORDAN / STR / AFP) (foto: JOSE JORDAN)

A ressalva da modelagem é que o aquecimento global só poderá ser contido se houver ação suficiente nos próximos 10 anos, e no caso de as metas de longo prazo serem cumpridas e mantidas além das datas previstas. "As metas de longo prazo devem ser tratadas com ceticismo se não forem apoiadas por compromissos de curto prazo para que, na próxima década, os países estejam no rumo certo para atingi-los", diz Zeke Hausfather, pesquisador climático da Universidade de Berkeley, nos EUA, comentando o estudo.

Também é essencial, diz McGlade, que os países respeitem os compromissos incondicionais e condicionais; os primeiros referem-se a objetivos alcançáveis sem assistência externa, como apoio financeiro de outras nações. Já os condicionais são aqueles que necessitam desse tipo de ajuda. Como depende de tantos cumprimentos de promessas, o estudo, embora otimista, também pode ser o contrário, alertam os próprios autores.

"O nosso estudo é uma boa notícia? Sim, porque, pela primeira vez, podemos manter o aquecimento abaixo de 2°C com as promessas que estão na mesa. E não, porque mostramos claramente que o aumento da ação nesta década é necessário para que tenhamos uma chance de não ultrapassar 1,5°C por uma grande margem", destaca Malte Meinshausen, professor da Universidade de Melbourne e principal autor do artigo.

Recentemente, o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, ressaltou que muitos países têm falado mais do que fazendo. "Alguns líderes governamentais e empresariais estão dizendo uma coisa, mas fazendo outra", afirmou, no lançamento do último relatório do IPCC. "Simplesmente, eles estão mentindo", afirmou. Segundo o documento, divulgado no início de abril, a poluição por carbono deve atingir o pico antes de 2025 e ser reduzida pela metade até 2030, para se ter uma chance de atingir a meta dos 2ºC.

Se nenhum esforço adicional for feito além das promessas, a superfície da Terra "aquecerá a catastróficos 2,8ºC", informou o IPCC. "O otimismo deve ser contido até que as promessas de reduzir as emissões no futuro sejam apoiadas por ações mais fortes de curto prazo", afirma Frances Moore, cientista da Universidade da Califórnia, em Davis, comentando o estudo.

Palavra de especialista

"É agora ou nunca. Sem reduções imediatas e profundas de emissões em todos os setores, será impossível atingir a meta do acordo. A falta de progresso global é deprimente. No entanto, o que me dá esperança é o progresso de alguns países que reduziram as emissões de gases de efeito estufa ano após ano por mais de uma década, e a queda nos custos das tecnologias solar, eólica e de bateria em até 85%. O que me dá mais esperança, porém, é o número de pessoas que querem agir, que estão pedindo à indústria e aos governos que façam algo a respeito. Se pudermos aproveitar essa esperança em ações e investimentos rápidos, teremos as ferramentas e tecnologias para evitar os efeitos mais devastadores."

Joanna House, pesquisadora de política ambiental da Universidade de Bristol, na Inglaterra, e um dos autores do relatório mais recente do IPCC

Invertebrados são essenciais para a segurança alimentar: sumiço prejudica o ser humano
Invertebrados são essenciais para a segurança alimentar: sumiço prejudica o ser humano (foto: University of Bristol/Divulgação)

 

  • (FILES) In this file photo taken on July 1, 2021, United Nations Secretary general Antonio Guterres gives a press conference during his visit to the United Nations center for technology and communications in Quart the Poblet near Valencia. The United Nations chief on August 15, 2021 urged the Taliban to
    (FILES) In this file photo taken on July 1, 2021, United Nations Secretary general Antonio Guterres gives a press conference during his visit to the United Nations center for technology and communications in Quart the Poblet near Valencia. The United Nations chief on August 15, 2021 urged the Taliban to "exercise utmost restraint" in Afghanistan, hours after the militants entered the capital. (Photo by JOSE JORDAN / STR / AFP) Foto: JOSE JORDAN
  • Invertebrados são essenciais para a segurança alimentar: sumiço prejudica o ser humano
    Invertebrados são essenciais para a segurança alimentar: sumiço prejudica o ser humano Foto: University of Bristol/Divulgação

"É agora ou nunca"

 (crédito: University of Bristol/Divulgação)
crédito: University of Bristol/Divulgação

"É agora ou nunca. Sem reduções imediatas e profundas de emissões em todos os setores, será impossível atingir a meta do acordo. A falta de progresso global é deprimente. No entanto, o que me dá esperança é o progresso de alguns países que reduziram as emissões de gases de efeito estufa ano após ano por mais de uma década, e a queda nos custos das tecnologias solar, eólica e de bateria em até 85%. O que me dá mais esperança, porém, é o número de pessoas que querem agir, que estão pedindo à indústria e aos governos que façam algo a respeito. Se pudermos aproveitar essa esperança em ações e investimentos rápidos, teremos as ferramentas e tecnologias para evitar os efeitos mais devastadores."

Joanna House, pesquisadora de política ambiental da Universidade de Bristol, na Inglaterra, e um dos autores do relatório mais recente do IPCC

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE