Influenciador Yuran Tinta compartilha suas expectativas como pai de primeira viagem

O influenciador angolano Yuran Tinta está à espera do seu primeiro filho

Yuran Tinta e Nicoly França -  (crédito: Reprodução Divulgação)
Yuran Tinta e Nicoly França - (crédito: Reprodução Divulgação)
postado em 04/04/2024 03:00 / atualizado em 04/04/2024 11:07

Yuran Tinta e a influenciadora Nicoly França compartilham suas experiências interculturais nas redes sociais, agora também sobre paternidade e maternidade, e preparam a segunda temporada do podcast ‘Isso não é uma DR‘, sobre relações. Além disso, o casal está finalizando um e-book para criadores de conteúdo, que será lançado em breve.

O influenciador adiantou como está a sua expectativa para o nascimento do primogênito que se chamará Lui, nome de origem angolana, que significa “rio” em Umbundu, língua materna de Yuran.

“Estou com muitas expectativas para a chegada do meu filho. Ainda não o conheço pessoalmente, mas já consigo imaginar o rosto dele e poder conversar com ele. Eu sempre tive vontade de ser pai”, disse.

Tinta relembrou a sua relação com a família e compartilhou que a vontade de ser pai surgiu desse lugar e revelou que espera reviver com o seu filho esses momentos.

“Eu cresci em um lar de bastante amor e afeto onde pessoas como minha Mãe, Pai, avós e tios me deram bastante segurança para ser o que eu quisesse. Então de alguma forma essa vontade veio disso, eu sempre sonhei em poder reproduzir isso com meu filho e a vontade veio pela forma que fui criado. Então chegou esse momento de poder trocar isso com o LUI”, afirmou.

Yuran também elencou um ensinamento que será um dos primeiros a repassar ao seu filho e afirmou que segue aprendendo com os seus pais.

“Aprendi e aprendo muitas coisas com meus pais, uma delas é que tudo acontece no tempo que o universo, Nzambi, permitir, tem uma coisa que os pais africanos ensinam, que é ter paciência sobretudo. Então penso em ensinar isso para ele”, disse.

O influenciador também contou como planeja educar seu filho nesse mix cultural do Brasil e Angola. Ele revelou que trará para a educação do seu filho o conhecimento sobre as suas raízes para não só conhecer a história que também é dele, mas para também ter referências.

“Vou fazer o possível para o Lui conhecer minhas raízes para que ele se lembre sempre de onde eu vim e que ele faz parte disso. E também para que ele tenha referências parecidas comigo e com ele, e levá-lo para Angola para que ele se enxergue e possa ser o que quiser. Onde ele possa enxergar aqui e lá em Angola que existem pessoas parecidas com ele. Essa será a forma que visualizo de poder criá-lo, passar minhas referências do que acho certo para conseguir guiá-lo de alguma forma, porque filhos são nossos espelhos”, detalhou.

“Quero que a minha base o ajude a ter bastante prosperidade e a conquistar o que quiser, conforme já diz o seu nome: Lui, que em Umbundu, que é a minha língua materna, significa rio, porque a água tem a leveza e a força de romper barreiras e chegar onde quiser. Será uma dupla e tanto, quero muito ensinar e aprender com ele. Mixando essas duas culturas lindas”, finalizou.

Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp
Ícone do telegram

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação