Netflix

Facebook repudia documentário da Netflix 'O dilema das redes sociais'

Para a empresa, o documentário da Netflix oferece uma "visão distorcida de como as plataformas de mídia social funcionam para criar um bode expiatório conveniente para o que são problemas sociais complexos e difíceis"

Estado de Minas
postado em 05/10/2020 09:40
 (crédito: Olivier DOULIERY/AFP)
(crédito: Olivier DOULIERY/AFP)

O Facebook lançou uma nota de repúdio contra o documentário da Netflix O dilema das redes sociais. No filme dirigido por Jeff Orlowski, especialistas em tecnologia e profissionais da área discutem os impactos devastadores do uso exacerbado das redes sociais na vida das pessoas, na sociedade e na democracia.

Para o Facebook, a trama é sensacionalista: “Devíamos ter conversas sobre o impacto das mídias sociais em nossas vidas. Mas The Social Dilemma enterra a substância no sensacionalismo. Em vez de oferecer uma visão diferenciada da tecnologia, oferece uma visão distorcida de como as plataformas de mídia social funcionam para criar um bode expiatório conveniente para o que são problemas sociais complexos e difíceis”.

Ainda na nota, o Facebook afirma que os criadores do filme "não incluem ideias daqueles que atualmente trabalham nas empresas ou de quaisquer especialistas [que] têm uma visão diferente da narrativa apresentada pelo filme."

Além disso, a empresa disse que o documentário não “reconhece - de forma crítica ou não - os esforços já realizados pelas empresas para resolver muitas das questões que levantam. Em vez disso, contam com comentários daqueles que não estiveram lá por muitos anos.”

O documentário de 93 minutos apresenta entrevistas com ex-executivos do Facebook, Twitter, Google e outras empresas.

Procura por "desativar/excluir" sobe

Depois do lançamento do documentário, uma pesquisa feita pela Decode, empresa de análise e pesquisa em big data, aponta que buscas por “desativar/excluir Facebook” cresceram 250% no Google entre 9 e 29 de setembro.

Os termos "excluir Instagram"; “desativar notificações” e “desativar temporariamente” também estão sendo mais procurados pelos brasileiros, com crescimento de 100%, 110% e 120%, respectivamente.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação