Música

Michel Teló se inspira na família no EP 'Pra ouvir no fone'

O EP marca uma nova fase da carreira do sertanejo: 'Isso é muito diferente do Michel de 'Ai se eu te pego' e tô muito feliz de trazer esse formato'

Geovana Melo*
postado em 04/12/2020 13:36 / atualizado em 04/12/2020 13:38
 (crédito: Allan Shigueaki Mogui/ Divulgação)
(crédito: Allan Shigueaki Mogui/ Divulgação)

Michel Teló ficou mundialmente conhecido pelo hit Ai se eu te pego, em 2011. Em seguidaemplacou trabalhos como Fugidinha e Humilde residência. No entanto, a quarentena foi o pontapé para tirar os planos antigos do papel e apresentar ao público uma nova versão do paranaense. Trata-se de Pra ouvir no fone, novo EP do cantor que chegou às plataformas digitais nesta sexta-feira (4/12).

"As canções trazem um pouco de gratidão, daquela coisa do interior, das sensações. Mistura muito disso e isso é muito diferente do Michel de Ai se eu te pego e tô muito feliz de trazer esse formato", declara Michel Teló em entrevista ao Correio.

O trabalho é regido pelos momentos simples e únicos da vida. Gravado durante a pandemia, o projeto reúne sete faixas, nas quais a música empresta melodia para a mensagem. As canções surgiram do desejo do cantor de falar um pouco das coisas simples da vida e da loucura que todos vivem. Ao mesmo tempo que o álbum perpassa esperança, há um toque de nostalgia: a ideia surgiu há cinco anos, quando ele soube que ia ser pai.

A família e a gratidão pelos momentos juntos é a maior fonte de inspiração do disco.  "Eles conhecem essas canções de eu cantar em casa e estão sempre ouvindo. Eles se emocionaram muito no dia que o clipe chegou. Eu fui gravar sozinho, então eles não viram. A Melinda é muito emotiva e ela começou a marejar o olho quando assistiu e o Teodoro quando terminou a música ele veio me abraçar e começou a chorar", lembra o marido de Thais Fersoza. 

Pra ouvir no fone ganhou registro audiovisual. O primeiro clipe divulgado foi o da canção O tempo não espera ninguém. No material, aparece Teló em uma montanha, em voz e violão. Gravado em São Luiz do Paraitinga, o curta também é uma vontade antiga. “Toda vez que sobrevoava as montanhas, indo ou voltando de uma turnê ou show, ficava olhando lá embaixo a paisagem e pensava que queria mesmo estar lá, vendo o pôr do sol, respirando aquele ar, vivendo um pouco daquela tranquilidade”, conta Michel.

Assista ao clipe de O tempo não espera ninguém

 

*Estagiária sob supervisão de Adriana Izel


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE