Música

Cantor gaúcho Vitor Kley lança faixa inspirada no rock dos anos 2000

Com referências do pop-punk, artista faz parte da nova geração de cantores da MPB e apresenta trabalho com influências de bandas como NX Zero e Fresno

Isabela Berrogain*
postado em 21/11/2021 06:00 / atualizado em 22/11/2021 15:02
 (crédito:  César Ovalle/Divulgação)
(crédito: César Ovalle/Divulgação)

O amor machuca demais é a faixa escolhida pelo cantor gaúcho Vitor Kley para dar início à nova fase da carreira. Inspirado pela música dos anos 2000, o artista troca os costumeiros violões e as músicas pop pelas guitarras de rock das décadas passadas.

Apesar de ser conhecido nacionalmente por integrar a chamada "nova MPB", sendo voz de canções com abordagens mais acústicas como O Sol e Pupila, a principal influência de Vitor Kley sempre foi o rock. "Por mais que O amor machuca demais seja diferente dos meus trabalhos anteriores, é muito Vitor, porque eu sempre escutei esse tipo de som. Se você pegar meu celular, o que eu mais escuto é isso. Acordo de manhã ouvindo isso", afirma Kley. Desde a adolescência, o cantor se inspirou em bandas voltadas para o gênero, como Good Charlotte e Blink-182.

"O que acontece é que a nossa vida foi seguindo, as músicas foram, graças à Deus, estourando do jeito que elas tinham que estourar e a gente vai correndo até chegar em um momento que a gente olha para trás e fala: 'Poxa, a gente fez o que a gente queria, alcançamos um patamar legal dentro dos nossos objetivos e agora? O que o Vitor gosta de fazer em casa? O que ele grava quando está em casa?'. Em casa, eu gravo várias coisas com guitarra. Quando eu mandei O amor machuca demais para o meu produtor, Rick Bonadio, ele falou: 'Isso aqui é muito massa. Por que não lançar? Por que não vir com uma levada mais rock?', relembra o cantor ao Correio.

"Eu sempre gostei e quis fazer esse tipo de música. Quando a gente estava nos ensaios dos shows ou até mesmo nas próprias apresentações, a gente fazia umas coisas mais pop-punk, mais hard-core no meio do show, fazendo umas brincadeirinhas e tal", complementa.

Além dos artistas que influenciam Kley há anos, a ida do artista para o lado do rock foi inspirada pela volta do emo, movimento que vem acontecendo internacionalmente. De 2020 para cá, músicos como Machine Gun Kelly, Willow Smith e Yungblud têm liderado uma nova onda do pop-punk, estilo musical muito popular no início dos anos 2000. "É toda uma cena que está sendo movimentada. Claro que essa exposição que está tendo lá fora também dá uma confiança para a gente. Lá fora a gente vê que está dando certo, e isso te dá uma confiança e uma liberdade para fazer aqui também. Você sabe que está existindo um movimento, que você não está sendo um Indiana Jones cortando o mato e indo sozinho", confessa Vitor Kley. "Eu acho que a gente acertou na mão. A gente retomou o estilo dessas coisas que a gente gosta, mas, ao mesmo tempo, tem o Vitor pop-rock ali, que tem o refrão que gruda na cabeça, o refrão que toca na rádio", pontua.

O lançamento da nova faixa também veio acompanhado por um videoclipe, espaço que Vitor Kley utilizou para homenagear os artistas que o influenciaram. O vídeo conta com participações especiais de grandes nomes da música nacional, como Di Ferrero e Lucas Silveira, vocalistas das bandas NX Zero e Fresno, respectivamente. "Inicialmente, a gente ia usar essa ideia para o clipe de A bolha, a gente ia fazer uma escola de rock em que eu seria o professor de criancinhas. Aí a gente pensou em usar essa ideia para O amor machuca demais, mas chamando os integrantes da cena nacional do rock dos anos 2000 para serem nossos professores, a nos ensinarem o que é o rock, o que é ser um rockstar", revela.

Além de Ferrero e Silveira, grandes ídolos de Kley, o cantor chamou outros artistas que entraram recentemente na cena do rock nacional, como as cantoras DAY e Elana Dara. "Eu chamei a galera que está perto de mim para a gente se divertir e realmente receber uma aula dessas figuras que nos influenciaram tanto na vida musical", explica o artista.

*Estagiária sob a supervisão de José Carlos Vieira

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE