Cinema

Grande Prêmio do Cinema Brasileiro será neste domingo (28/11)

A 20ª edição da premiação vai homenagear o cineasta Ruy Guerra. Durante o evento virtual, serão anunciados 32 prêmios

Correio Braziliense
postado em 26/11/2021 18:54 / atualizado em 26/11/2021 19:09
O cineasta Ruy Guerra é o homenageado do 20º Grande Prêmio do Cinema Brasileiro  -  (crédito: Simone Kontraluz)
O cineasta Ruy Guerra é o homenageado do 20º Grande Prêmio do Cinema Brasileiro - (crédito: Simone Kontraluz)

Os vencedores do 20º Grande Prêmio do Cinema Brasileiro serão conhecidos neste domingo (28/11). O tema do evento deste ano é a preservação e a memória do audiovisual. Com transmissão ao vivo pela TV Cultura a partir das 20h, a cerimônia vai celebrar não apenas a Cinemateca Brasileira, como também a produção audiovisual nas duas últimas décadas. O grande homenageado da noite é Ruy Guerra, poeta, compositor e cineasta moçambicano radicado no Brasil, que completou 90 anos em 2021.

O evento, promovido anualmente pela Academia Brasileira de Cinema e Artes Audiovisuais, ocorrerá de forma remota pelo segundo ano consecutivo, devido à pandemia. A apresentação fica por conta das jornalistas Adriana Couto e Renata Boldrini, direto dos estúdios da TV Cultura, em São Paulo. A abertura dos envelopes com os vencedores será ao vivo, auditada pela PwC (mesma empresa que faz a apuração do Oscar), e o Troféu Grande Otelo será entregue diretamente na casa de cada um deles, depois da premiação.

Ao todo serão anunciados 32 prêmios, em quatro grandes categorias: longa-metragem, curta-metragem e séries brasileiras, escolhidos pelo amplo júri formado por profissionais associados à Academia Brasileira de Cinema. Além disso, todos os 15 longas-metragens indicados nas categorias drama, comédia ou documentário também concorrem ao disputado prêmio de Melhor filme pelo júri popular.

Com roteiro do jornalista Hugo Sukman e direção de Lucas Rochetti, a transmissão do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro será costurada com imagens de produções que marcaram a história do audiovisual e por apresentações musicais do pianista André Mehmari e da cantora Monica Salmaso. A festa terá ainda a presença, virtual, de nomes como Viviane Ferreira, diretora presidente da SP Cine; Sérgio Sá Leitão, secretário de Cultura e Economia Criativa de São Paulo; Jorge Peregrino, presidente da Academia Brasileira de Cinema e Artes Audiovisuais e José Roberto Maluf, presidente da TV Cultura.

Confira algumas categorias do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro:


MELHOR LONGA-METRAGEM FICÇÃO

A DIVISÃO – O FILME de Vicente Amorim
A FEBRE de Maya Da-Rin
BOCA DE OURO de Daniel Filho
CIDADE PÁSSARO de Matias Mariani
PACARRETE de Allan Deberton

MELHOR LONGA-METRAGEM DOCUMENTÁRIO

BABENCO: ALGUÉM TEM QUE OUVIR O CORAÇÃO E DIZER: PAROU de Bárbara Paz
DENTRO DA MINHA PELE de Toni Venturi e Val Gomes
FICO TE DEVENDO UMA CARTA SOBRE O BRASIL de Carol Benjamin
FOTOGRAFAÇÃO de Lauro Escorel
PARTIDA de Caco Ciocler

MELHOR LONGA-METRAGEM COMÉDIA

CARLINHOS E CARLÃO de Pedro Amorim
DE PERTO ELA NÃO É NORMAL de Cininha de Paula
NÃO VAMOS PAGAR NADA de João Fonseca
NO GOGÓ DO PAULINHO de Roberto Santucci
OS ESPETACULARES de André Pellenz
PACARRETE de Allan Deberton

MELHOR LONGA-METRAGEM ANIMAÇÃO

OS UNDER-UNDERGROUNDS, O COMEÇO de Nelson Botter Jr.
OSMAR, A 1º FATIA DO PÃO DE FORMA de Ale McHaddo

MELHOR LONGA-METRAGEM INFANTIL

10 HORAS PARA O NATAL de Cris D’Amato
O MELHOR VERÃO DAS NOSSAS VIDAS de Adolpho Knauth

MELHOR DIREÇÃO

ANA LUIZA AZEVEDO, por Aos olhos de Ernesto
DANIEL FILHO, por Boca de Ouro
GERALDO SARNO, por Sertânia
JEFERSON DE, por M8 – Quando a morte socorre a vida                                                              SANDRA KOGUT, por Três verões
VICENTE AMORIM, por A divisão – o filme

MELHOR PRIMEIRA DIREÇÃO DE LONGA-METRAGEM

ALLAN DEBERTON por Pacarrete
BÁRBARA PAZ por Babenco: Alguém tem que ouvir o coração e dizer: parou
DJIN SGANZERLA por Mulher oceano
MATIAS MARIANI por Cidade pássaro
MAYA DA-RIN por A febre

MELHOR ATRIZ

ANDREA BELTRÃO, por Verlust
LORENA COMPARATO, por Boca de Ouro
MALU MADER como GUIGUI por Boca de Ouro
MARCÉLIA CARTAXO, por Pacarrete
REGINA CASÉ, por Três verões

MELHOR ATOR

FLÁVIO BAURAQUI, por Abraço
IRANDHIR SANTOS, por Fim de festa
MARCOS PALMEIRA, por Boca de Ouro
ROGÉRIO FRÓES, por Três verões
SILVIO GUINDANE, por Boca de Ouro
SILVIO GUINDANE, por A divisão – o filme

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

BERTA LORAN, por Jovens polacas
DENISE FRAGA, por Música para morrer de amor
GISELE FRÓES, por Três verões
HERMILA GUEDES, por Fim de festa
SOIA LIRA, por Pacarrete
ZEZÉ MOTTA, por M8 – Quando a morte socorre a vida
ZEZITA MATOS, por Pacarrete

MELHOR ATOR COADJUVANTE

FLAVIO BAURAQUI, por Não vamos pagar nada
FLAVIO BAURAQUI, por Macabro
FLAVIO MIGLIACCIO, por Jovens polacas
GUILHERME FONTES, por Boca de Ouro
JOÃO MIGUEL, por Pacarrete
OTÁVIO MULLER por Três verões

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE