Poesia

Livro 'Pilhado na rabiola' reúne poemas confessionais de Fabrício Lopes

Obra teve fim terapêutico para o escritor, que exerceu autoescuta durante a pandemia

*Naum Giló
postado em 12/03/2022 06:00
O poeta Marcos Fabrício lança 'Pilhado na rabiola' -  (crédito: Arquivo Pessoal)
O poeta Marcos Fabrício lança 'Pilhado na rabiola' - (crédito: Arquivo Pessoal)

O verbo "pilhar" pode ter vários significados na língua portuguesa, como roubar, estressar, agitar ou animar, como é comum entre os brasilienses. Em sua nova publicação literária, Pilhado na rabiola, Marcos Fabrício Lopes da Silva dá outra forma ao termo: "estar pilhado na rabiola" significa estar atento, apreensivo, reflexivo ou mesmo indignado. O livro de poemas é um desabafo sincero, que vai de confissões mais íntimas da vida do autor até a crítica social e política mais ampla, exaltando o papel da poesia e do poeta na cidade e no mundo. "O poeta é a antena da praça", define o poema Meu amigo pound.

Segundo o autor, o livro tem uma proposta assumidamente política, ativista e militante, além de ter um "percurso terapêutico", que Marcos explica como "um trabalho de autoescuta". "É um livro que nasceu para convertermos a energia da inquietação num propósito saudável de vida e que possamos, também, usufruir de uma noção subversiva de mundo para que não nos acomodemos nas armadilhas da maldade, que nos levam a certos comportamentos destemperados e a uma cultura do cancelamento, que é aborrecível. É um convite para que retomemos laços de convivência", descreve o poeta.

Marcos lembra que recentemente vivemos um momento de "solidão forçosa e forçada", o que ele chama de "cárcere sanitário", o que ele considera pior do que a própria pandemia, porque leva a um desespero com a solidão, ao mesmo tempo de um medo da multidão. "Acho que vivemos um momento em que a gente não está querendo nem solidão e nem multidão. A gente quer é conversar. E o livro é uma celebração do conversar, que, no âmago do termo, significa construir versos juntos", declara o poeta, que confessa que ficaria feliz caso sua obra seja percebida como serviço de utilidade pública. "Porque quando eu trouxe o Pilhado, eu trouxe uma carga de indignação. É uma indignação digna, pela dignidade."

Pilhado na rabiola reúne mais 40 poemas de Marcos Fabrício, escritos entre 2020 e 2022, no período pandêmico. São textos que o poeta já publicou em redes sociais ou recitou em saraus pela Asa Norte. "O motivo de reunir os poemas e publicá-los foi registrá-los de maneira seletiva em livro, a partir de cinco matrizes de atenção temática: estética, ética, política, sentimental e existencial", explica o escritor.

O lançamento de Pilhado na rabiola será celebrado hoje, em mais um Sarau Marcante, organizado por Marcos Fabrício e Nathan Kacowicz. O evento ocorre entre 19h e 22h30, no Rincón Ibérico, restaurante localizado na 109 Norte. O evento também contará com microfone livre para o público. Exemplares do livro estarão disponíveis para venda pelo valor de R$ 40.

*Estagiário sob a supervisão de Severino Francisco.


Sarau Marcante de lançamento de Pilhado na rabiola, de Marcos Fabrício Lopes da Silva

Sábado, 12 de março, às 19h, no Rincón Ibérico, na 109 Norte, Bloco D, Asa Norte. 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE