Política monetária

Ministro da Economia quer a moeda com autonomia do BC

Paulo Guedes diz que Banco Central precisa ser independente para evitar que alta transitória de preços não se torne aumento generalizado, o que significaria a volta da inflação

Simone Kafruni
postado em 23/11/2020 13:43
 (crédito: Leonardo Sá/Agencia Senado)
(crédito: Leonardo Sá/Agencia Senado)

Em dois eventos virtuais, na manhã desta segunda-feira (23/11), o ministro da Economia, Paulo Guedes, defendeu a despolitização da moeda. Segundo ele, isso passa pela aprovação do projeto de autonomia do Banco Central. “Vamos trabalhar no que estamos de acordo, como a autonomia do Banco Central, para evitar que aumentos transitórios de preços se tornem altas generalizadas, o que se chama de inflação”, alertou.

Guedes participou de webinar da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) sobre a desestatização da Cedae (companhia de saneamento do Rio), e, em seguida, do 3º Encontro O Brasil Quer Mais, da Câmara de Comércio Internacional (ICC).

O ministro alertou que a despolitização da moeda é algo necessário para que erros do passado não se repitam. “É um sonho de 40 anos. Tivemos um presidente reeleito porque criou a cláusula da reeleição e depois soltou o câmbio”, disse, referindo-se a Fernando Henrique Cardoso, cujo governo só permitiu o dólar flutuante após a reeleição. “Teve presidente reeleito porque torceu o braço do presidente do BC e baixou os juros. Depois aumentou e a taxa foi para dois dígitos”, acrescentou, em referência ao governo de Dilma Rousseff.

“Despolitizar a moeda será um avanço institucional para o país. Já temos a cultura de estabilidade monetária, mas falta a lei. Por outro lado, temos a Lei de Responsabilidade Fiscal, mas falta a cultura de controle de gastos”, comparou. Segundo o ministro, as reformas “estão vindo”. “O grande desafio para 2021 é transformar essa recuperação cíclica baseada em consumo, numa retomada autossustentável do crescimento econômico com base em investimentos”, assinalou.

O investimento permitirá a ampliação da capacidade produtiva com aumento da produtividade e dos salários dos trabalhadores. “Só se faz isso com reformas. Vamos fazer a (reforma) tributária e reduzir os impostos sobre as empresas, simplificar os impostos, para o valor adicionado, e unificar com estados e municípios lá na frente. Voltamos das medidas emergenciais para reformas estruturantes”, disse.

Covid

O ministro comentou nos dois eventos que os casos de covid-19 estão caindo no país. Indagado sobre uma possível segunda onda, que já dá sinais em alguns estados, Guedes afirmou: “Se tiver segunda onda agiremos da mesma forma, com capacidade de decisão. Conhecemos os caminhos, já temos cada um dos brasileiros carentes digitalizados”. Mas reiterou que “a doença retrocedeu”.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE