RETOMADA

CNI: Produtividade do trabalho na indústria cresce 8% no 3º trimestre

Mesmo com números animadores, contudo, expectativa é que o indicador não atinja o índice de 1% e fique abaixo do esperado em 2020

Jailson R. Sena*
postado em 01/12/2020 12:35 / atualizado em 01/12/2020 12:35
 (crédito: Divulgação/IBGE)
(crédito: Divulgação/IBGE)

A produtividade do trabalho na indústria no terceiro trimestre de 2020 demonstra recuperação, após duas quedas consecutivas como resultado dos efeitos da pandemia do novo coronavírus sobre a economia. De acordo com os dados, houve alta de 8% na comparação com o segundo trimestre deste ano. É o que revela o estudo Produtividade na Indústria, da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

No entanto, apesar do expressivo crescimento, a expectativa é que a produtividade do trabalho na indústria encerre 2020 com baixo crescimento. Mesmo que o ritmo de alta seja mantido no último trimestre, o indicador fecha o ano com aumento abaixo do patamar de 1% pelo terceiro ano seguido.

A pesquisa também revela que o volume produzido no meses de julho, agosto e setembro cresceu 25,8% em relação ao trimestre anterior; enquanto as horas trabalhadas na produção tiveram alta de 16,4%.

“A indústria se recuperou de forma rápida e intensa a partir de maio, passado o momento mais agudo da crise. Ao longo do trimestre, as fábricas operaram em níveis de ocupação da capacidade instalada crescentes para recompor estoques e atender à rápida recuperação da demanda”, pontua o estudo.

Crescimento acelerado

O documento da CNI observa que o crescimento acelerado da produtividade mais do que compensou a queda acumulada nos dois primeiros trimestres do ano, que chegou à marca de -6,7% na comparação com o quarto trimestre de 2019. O nível registrado agora é superior ao verificado no quarto trimestre de 2017.

“O crescimento acelerado da produtividade no terceiro trimestre e a queda acentuada no primeiro semestre do ano são movimentos conjunturais. Eles refletem mudanças na intensidade do esforço do trabalhador e no ritmo de produção que é estabelecido pelas empresas e não mudanças de mais longo prazo, como uma maior qualificação do trabalhador”, explica Samantha Cunha, economista da CNI.

*Estagiário sob a supervisão de Andreia Castro

https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/economia/2020/08/05/internas_economia,878778/faturamento-da-industria-cresce-9-3-em-junho-diz-cni.shtml

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE