Juros

Se cenário não mudar, juro neutro virá em 2022, indica diretor do BC

Segundo Fabio Kanczuk, hoje o BC trabalha com uma taxa nominal neutra de 6,5%, que considera uma taxa real neutra de 3% e uma inflação de 3,5%

Marina Barbosa
postado em 08/04/2021 17:14
 (crédito: Raphael Ribeiro/BCB)
(crédito: Raphael Ribeiro/BCB)

O Brasil só deve alcançar os juros neutros, que hoje giram em torno de 6,5%, em 2022. Foi o que informou o diretor de Política Econômica do Banco Central (BC), Fabio Kanczuk, nesta quinta-feira (8/4). Ele lembrou que, hoje, o BC projeta uma "normalização parcial" da taxa básica de juros (Selic) em 2021.

"Pelo que vejo agora, o que vamos fazer é uma normalização parcial da Selic", disse Kanczuk, ao ser questionado sobre o aumento da taxa básica de juros da economia brasileira em evento do banco norte-americano BNY Mellon.

Kanczuk explicou que, se o Comitê de Política Monetária (Copom) "aumentar a Selic sem parar até o juro neutro", o país teria uma inflação "muito baixa" no horizonte relevante para a política monetária, que será exclusivamente o ano de 2022 na próxima reunião do Copom. "Parece que é um aperto excessivo, então tenho que ir mais lentamente", comentou.

Ele concluiu, então, que a "normalização completa" da Selic "deve ser em 2022, não em 2021". Segundo o diretor, hoje o Banco Central trabalha com uma taxa de juros real neutra de 3%, o que levaria a taxa nominal a 6,5% se somada a uma inflação de 3,5%.

O diretor lembrou, no entanto, que as "coisas mudam" e que, consequentemente, o cenário básico do Copom também pode mudar. Por isso, disse que, apesar desses sinais, o Copom não pode se comprometer com nada. "Não estamos comprometidos com nada. A política monetária é livre e pode mudar de acordo com as circunstâncias", comentou.

Na última reunião, em março, o Copom elevou a taxa básica de juros (Selic) de 2% para 2,75% e indicou outra alta da mesma magnitude no próximo mês. O Comitê também afirmou que a Selic passaria por um processo de "normalização parcial" já que, apesar da alta da inflação exigir o aperto monetário, a economia ainda pede estímulos por conta da crise da covid-19. O mercado acredita, então, que a taxa básica de juros vai chegar a 5% em 2021 e avançar para 6% em 2022, de acordo com o Boletim Focus.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE