CRISE HÍDRICA

Após citar racionamento, Lira recua e fala em "uso eficiente da energia"

Lira havia dito que o Brasil teria que passar pelo que chamou de "período educativo" de racionamento de energia para evitar uma "crise maior", como um apagão. Depois, nas redes sociais, disse que o governo trabalha com medidas de incentivo

Ingrid Soares
postado em 22/06/2021 21:32
 (crédito: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados)
(crédito: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados)

Horas depois do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), ter afirmado nesta terça-feira (22/06), que o Brasil terá que passar pelo que chamou de "período educativo" de racionamento de energia para evitar uma "crise maior", Lira recuou e por meio das redes sociais, relatou ter conversado com o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque e que esclareceu que a nova MP que o governo pretende aprovar não prevê racionamento e sim, o "incentivo ao uso eficiente da energia pelos consumidores de maneira voluntária".

"Falei há pouco com o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, que esclareceu que a Medida Provisória não irá trazer qualquer comando relativo ao racionamento de energia. Será feito o incentivo ao uso eficiente da energia pelos consumidores de maneira voluntária", escreveu.

Antes, após evento do Plano Safra 21/22, Lira contou sobre reunião com Bento na semana passada e falou que haveria racionamento "educativo" para evitar apagão no país. "O ministro Bento (Albuquerque, das Minas e Energia) esteve comigo fazendo uma análise do cenário, garantindo que não vamos ter nenhum tipo de apagão, mas vamos ter que ter um período educativo aí de algum racionamento para não ter nenhum tipo de crise maior", disse Lira.

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE