MAIS AUMENTO

Gasolina atinge preços recordes em 18 estados e no Distrito Federal

Na capital federal, o litro do combustível é encontrado entre R$ 5,85 e R$ 6,15, segundo dados da Agência Nacional do Petróleo (ANP). Em alguns estados, preço chega a R$ 6,99

Fernanda Fernandes
postado em 26/07/2021 00:00 / atualizado em 27/07/2021 06:44

Por apenas um centavo, o litro da gasolina não atingiu o valor de R$ 7 no país, nesta segunda-feira (26/7). Em algumas regiões, a gasolina comum foi encontrada a R$ 6,99. O valor, R$ 0,02 maior que na semana passada, é o mais alto já registrado este ano, com a média a R$ 5,83 o litro. Desde o início do ano, o combustível já acumula aumento de R$ 1,26 (27,6%), segundo dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Na capital federal, a gasolina comum é encontrada a preços entre R$ 5,85 e R$ 6,15. Em uma breve pesquisa de campo realizada pelo Correio Braziliense no Riacho Fundo I, na Candangolândia I e II e na Asa Sul, o combustível foi encontrado entre R$ 5,78 (pagando por aplicativo) a R$ 6,09 por litro.

Em abril deste ano, o general Joaquim Silva e Luna assumiu a presidência da Petrobras, antes ocupada por Roberto Castello Branco. O general foi indicado pelo presidente Jair Bolsonaro sob a promessa de controle do aumento no preço dos combustíveis. Embora os reajustes tenham se tornado menos frequentes nos primeiros meses de gestão, os preços não foram contidos por muito tempo.

O presidente Bolsonaro tem atribuído a culpa do alto preço do combustível ao Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS), estipulado pelos governos estaduais. “Tudo me culpam, né? O preço mais barato (do Brasil), acredite, é no Maranhão. Mas aí vem seu governador e mete a mão no ICMS”, disse o presidente em uma de suas lives, este mês, em referência a Flávio Dino, governador do Maranhão. No dia 18 de julho, ao deixar o Hospital Vila Nova Star, na zona sul de São Paulo, onde estava internado, o presidente reafirmou a ideia. "Cresceu a arrecadação de ICMS em cima de uma ganância", disse. Na época, o Sindicombustíveis no Distrito Federal, reagiu à declaração, e apresentou números que apontam que, desde novembro de 2020, a Petrobras realizou diversas elevações de preços nas refinarias, que somaram 65% de aumento.

“Fica numericamente claro que a revenda não tem nenhuma participação nesta elevação de preços dos combustíveis, mas apenas o repasse referente aos reajustes ocorridos em um mercado livre que sofre forte influência internacional dos preços do petróleo e da variação cambial no Brasil”, afirmou Paulo Tavares, presidente do Sindicombustíveis no DF, ao Blog Capital/SA, vinculado ao Correio.

Maior preço foi encontrado no Acre

Até o fim desta segunda-feira, o preço máximo da gasolina comum, de R$ 6,99, foi encontrado no município de Cruzeiro do Sul, no interior do estado do Acre. Já o valor de R$ 4,95, menor operado, foi encontrado em Abaetetuba, no Pará. Hoje, do preço da gasolina vendida nos postos espalhados pelo país, 32,4% do valor fica para a Petrobras; 28,6% é referente ao ICMS (imposto estadual); 15,7% correspondem ao etanol adicionado à gasolina (o combustível é composto por 73% de gasolina A e 27% de etanol anidro); 11,9% para impostos federais (Cide, PIS/Pasep e Cofins); e 11,4% ficam para a distribuição e a revenda.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE