INFLAÇÃO

Gasolina faz prévia da inflação saltar para 1,14% em setembro

Puxado principalmente pelos grupos de transportes (0,46%), alimentação e bebidas (0,27%) e habitação (0,25%), IPCA-15 é o maior para o mês desde 1994

Fernanda Fernandes
postado em 24/09/2021 09:54 / atualizado em 25/09/2021 07:26
 (crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
(crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

A inflação bateu mais um recorde com aceleração de 1,14% na prévia do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA-15), divulgada na nesta sexta-feira (24/9), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os novos dados, coletados entre 14 de agosto e 13 de setembro, mostram aumento de 0,25 ponto percentual aos 0,87% registrados na prévia anterior, divulgada em agosto. A alta é ainda mais impactante se comparada aos 0,45% registrados no mesmo período de 2020. De acordo com o IBGE, essa é a maior taxa para um mês de setembro desde 1994. No ano, o IPCA-15 acumula alta de 7,02%. Já no acumulado em 12 meses, o valor passou de 9,30% registrado em agosto, para 10,05%. A nova prévia vem acima do que era esperado pelo mercado financeiro, que estimava algo em torno de 1%.

O IBGE afirma que oito dos nove grupos de produtos e serviços registraram alta em setembro. O setor de habitação, que levou o título de vilão da inflação em agosto, neste mês teve impacto de 0,25%, ficando atrás do grupo de alimentação e bebidas (com impacto de 0,27% no índice) e do vilão da vez: o grupo de transportes, que em setembro representou 0,46% do total de 1,14% registrado.

A alta de 2,22% registrada em transportes é influenciada pelo reajuste de preços dos combustíveis, que passaram de um quadro de aceleração de 2,02% para 3% em setembro, segundo o IBGE. A gasolina subiu 2,85% em setembro, ante agosto, e já acumula 39,05% nos últimos 12 meses. "Esse subitem exerceu o maior impacto individual do mês no IPCA-15”, afirma o IBGE, em nota.

Ainda segundo a entidade, o impacto da gasolina em setembro foi o mesmo da energia elétrica em agosto: 0,17 ponto porcentual. Apesar de liderar o ranking de item com mais impacto no período, os demais combustíveis também apresentaram altas: etanol (4,55%), gás veicular (2,04%) e óleo diesel (1,63%). Ainda de acordo com os dados divulgados pelo IBGE, os demais grupos ficaram entre o -0,01% de Educação e o 1,23% de Artigos de Residência.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE