Remo

Digão, ex-Flamengo que perdeu o avô e um filho, fecha o gol e Porto Velho elimina Remo

Porto Velho (de branco) supera o Remo em tarde de Digão.

Porto Velho (de branco) supera o Remo em tarde de Digão. -  (crédito:  Foto: Samara Miranda/ASCOM Remo)
Porto Velho (de branco) supera o Remo em tarde de Digão. - (crédito: Foto: Samara Miranda/ASCOM Remo)
Jogada10
postado em 20/02/2024 19:16

A Copa do Brasil-2024 teve o seu início nesta terça-feira (20/2) e o jogo de abertura já criou um herói, o goleiro Digão, essencial para a vitória do Porto Velho sobre o Remo por 1 a 0. O arqueiro do time de Rondônia, que recebeu os remistas no Estádio Aluizio Ferreira, fez pelo menos seis defesas sensacionais. Com isso, eliminou o gigante paraense e abocanha mais R$ 945 mil de premiação. Agora,  enfrentará River-PI ou Ypiranga-RS na segunda fase. Este foi o primeiro jogo dos rondonienses neste ano.

Digão, de 25 anos – que começou a carreira no CFZ e jogou no Botafogo e na base do Flamengo (com Vini Jr) – saiu aos prantos. Afinal, além da partida sensacional, ele superou dois dramas familiares e explodiu de emoção com a sua atuação Nota 10.

Veja aqui a tabela de jogos da Copa do Brasil

“Vivi um período muito difícil da minha vida. Perdi meu avô, quem  mais me incentivou na carreira. Também perdi um filho. Pensei até em parar. Mas Deus me mostrou que ainda não é hora de parar. Quero agradecer a minha família e companheiros. Mas também aos torcedores, que compareceram em grande número mesmo numa terça-feira à tarde”, disse Digão, que garantiu praticamente que a folha salarial do Porto Velho esteja para até o fim do ano com o prêmio por passar de fase:

“Foi muito importante para o nosso clube. O Porto Velho merece, a cidade merece. E isso é muito bom para os cofres do clube ganhar a premiação. Agora é desfrutar”.

Veja mais detalhes da Copa do Brasil

O jogo de Digão

O empate classificava o Remo, que era o favorito, mas não começou bem. Falhando no jogo aéreo, levou o gol aos oito minutos. Após escanteio pela direita, Lucas escorou e o gfoleiro Marcelo Rangel não conseguiu salvar. A partir daí, o Remo ficou direto no ataque, mas perdendo muitas oportunidades. Afinal, Digão estava inspirado. Veio o segundo tempo e o que se viu foi Digão fechar o gol com defesas fantásticas. E quando a bola passou por ele, num lance de Ribarmar, foi na trave.  Para se ter ideia, quatro dos milagres foram depoius dos acréscimos (o jogo foi até os 55 da etapa final).

“O que aconteceu mão pode acontecer. O Remo tem camisa pesada, é um grande do Norte  e perdemos, disse o remista Marco Antonio.

Siga o Jogada10 nas redes sociais: Twitter, Instagram e Facebook.

Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp
Ícone do telegram

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br