VERIFICAÇÃO

Vídeo é editado para insinuar falsamente que Magno Malta estava bêbado em ato pró-Bolsonaro

O áudio da gravação usada no post foi desacelerado, afirma perito forense consultado pelo Comprova

Post mente ao insinuar que o senador Magno Malta (PL) estaria embriagado durante seu discurso na manifestação convocada pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) -  (crédito: Reprodução/Comprova)
Post mente ao insinuar que o senador Magno Malta (PL) estaria embriagado durante seu discurso na manifestação convocada pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) - (crédito: Reprodução/Comprova)
postado em 29/02/2024 15:53 / atualizado em 29/02/2024 16:04

Investigado por: Folha de S.Paulo e Estadão.

Falso: Um vídeo viral em que aparece o senador Magno Malta (PL) mente ao insinuar que ele estava embriagado no ato a favor do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), em 25 de fevereiro, em São Paulo. O áudio da gravação usada no post foi adulterado, como é possível perceber ao comparar o mesmo trecho com vídeos postados nas redes sociais do parlamentar e como foi constatado pelo perito forense e professor de engenharia da informação da Universidade Federal do ABC (UFABC) Mário Gazziro, consultado pelo Comprova. O senador também afirmou se tratar de conteúdo manipulado. 

Conteúdo investigado: Vídeo em que o senador Magno Malta discursa em cima de um caminhão. Na legenda, o autor escreve: “Que atire a primeira pedra quem nunca chegou muito louco a um compromisso”.

Onde foi publicado: X (antigo Twitter).

Conclusão do Comprova: Post mente ao insinuar que o senador Magno Malta (PL) estaria embriagado durante seu discurso na manifestação convocada pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) em 25 de fevereiro, em São Paulo. A publicação traz um vídeo de 19 segundos em que o parlamentar diz no microfone, sobre um caminhão: “Morrer é lucro. Brasileiros, cristãos, parece que nós estamos encurralados de frente do mar” . Na legenda, o autor afirma: “Que atire a primeira pedra quem nunca chegou muito louco a um compromisso”.

Ao assistir ao vídeo e compará-lo com publicações do mesmo trecho publicadas pelo senador, é possível perceber que a imagem do post verificado aqui foi invertida e que imagem e áudio foram desacelerados. De qualquer forma, o Comprova consultou o perito forense Mário Gazziro, professor de engenharia da informação da Universidade Federal do ABC (UFABC). Ele afirmou que “está claro” que o áudio foi alterado. “Foi desacelerado em um fator de 10%.”

Também contatado pela reportagem, Magno Malta disse que o conteúdo é inaceitável e desrespeitoso. “Sou um forte oposicionista da esquerda. É claro que vão atacar a minha reputação com mentiras. É evidente que houve edição no vídeo por haters”, declarou, em nota. O senador informou ainda que entrará com medidas legais cabíveis contra o autor do conteúdo.

A comparação a seguir, produzida pelo Comprova, evidencia a manipulação do conteúdo:

Falso, para o Comprova, é todo conteúdo inventado ou que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original.

Alcance da publicação: O Comprova investiga os conteúdos suspeitos com maior alcance nas redes sociais. Até o dia 28 de fevereiro, a postagem no X acumulava 93,9 mil visualizações, mil curtidas, mais de 200 compartilhamentos e 195 comentários.

Como verificamos: Por meio de uma busca reversa de imagens, o Comprova encontrou o vídeo original publicado no canal oficial do senador no YouTube. O registro foi publicado em 25 de fevereiro deste ano, dia da manifestação a favor de Bolsonaro, ocorrida na Avenida Paulista, em São Paulo. A gravação mostra um trecho do discurso de Malta no ato.

É possível identificar o corte específico que circula nas redes sociais a partir dos 40 segundos do vídeo e, ao comparar as imagens, perceber a desaceleração do áudio e também que a imagem do post verificado está invertida, como é possível ver a seguir. As capturas de tela são do mesmo momento do discurso do parlamentar, quando ele fala “cristãos”.

À esquerda, captura de tela de vídeo publicado no canal oficial de Malta no YouTube e, à direita, captura do post verificado aqui
À esquerda, captura de tela de vídeo publicado no canal oficial de Malta no YouTube e, à direita, captura do post verificado aqui (foto: Reprodução/Comprova)

Na sequência, o Comprova entrou em contato com um perito forense em áudio e vídeo para verificar se a gravação foi manipulada, e com a assessoria de imprensa do senador.

O que diz o responsável pela publicação: Ao Comprova, a página que compartilhou o vídeo adulterado no X afirmou que irá excluir a postagem após a publicação da checagem. “Assim que for publicada a perícia e a plataforma me notificar, eu excluo”, disse.

O que podemos aprender com esta verificação: É comum que desinformadores manipulem vídeos reais de figuras públicas para alterar o seu sentido original e, dessa forma, divulgar uma mentira. No caso aqui investigado, a gravação sofreu uma edição para ter sua velocidade reduzida. Nesse tipo de manipulação, a tática pode ser facilmente identificada por meio do som da gravação e pela movimentação lenta das pessoas que aparecem no registro. Além disso, ao ver posts afirmando ou sugerindo que autoridades estariam bêbadas, desconfie. No universo da desinformação, a técnica é comum quando um grupo quer desacreditar o outro.

Por que investigamos: O Comprova monitora conteúdos suspeitos publicados em redes sociais e aplicativos de mensagem sobre políticas públicas e eleições no âmbito federal e abre investigações para aquelas publicações que obtiveram maior alcance e engajamento. Você também pode sugerir verificações pelo WhatsApp +55 11 97045-4984

Outras checagens sobre o tema: O Comprova já verificou outros posts que desaceleram imagem e áudio para sugerir que políticos estariam embriagados, como um que afirmava falsamente que o presidente Lula (PT), alcoolizado, teria agarrado uma apoiadora.

Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp
Ícone do telegram

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação