França

Ex-presidente francês Sarkozy é acusado de cometer "associação ilícita"

A nova acusação é referente ao suposto financiamento de sua campanha eleitoral de 2007 com fundos líbios

Agência France-Presse
postado em 16/10/2020 09:22 / atualizado em 16/10/2020 09:26
Nesta foto de arquivo tirada em 27 de setembro de 2016, o candidato do partido de direita Les Republicains (LR) para as primárias do partido LR antes da eleição presidencial de 2017, Nicolas Sarkozy, comparece a uma reunião em Paris.  -  (crédito: MARTIN BUREAU / AFP)
Nesta foto de arquivo tirada em 27 de setembro de 2016, o candidato do partido de direita Les Republicains (LR) para as primárias do partido LR antes da eleição presidencial de 2017, Nicolas Sarkozy, comparece a uma reunião em Paris. - (crédito: MARTIN BUREAU / AFP)

O ex-presidente da França Nicolas Sarkozy foi acusado na segunda-feira por "associação ilícita" pelo suposto financiamento de sua campanha eleitoral de 2007 com fundos líbios, informaram à AFP nesta sexta-feira fontes da Procuradoria Nacional Financeira.

O ex-presidente reagiu de maneira imediata com uma mensagem no Facebook. "Tomei conhecimento da nova acusação com grande espanto (...) Minha inocência é pisoteada mais uma vez por uma decisão que não apresenta a menor prova de qualquer financiamento ilícito", escreveu.

A nova acusação é a quarta no caso contra o ex-presidente francês (2007-2012), que já foi acusado em março de 2018 por três supostos crimes: "corrupção passiva, apropriação indébita de fundos públicos e financiamento ilegal de campanha".

"Todos podem ver que é uma decisão sem precedentes, coerente com as investigações realizadas. O processo segue o seu curso", disse Vincent Brengarth, advogado da organização de combate à corrupção Sherpa, demandante no caso.

Em 31 de janeiro, os juízes acusaram um colaborador de Sarkozy, Thierry Gaubert, de "associação ilícita" por supostamente ter recebido recursos do regime líbio de Muamar Khadafi que poderiam ter financiado a campanha presidencial do candidato de direita em 2007.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação