Liberdade de Expressão

Polícia da França prende 9 suspeitos por morte de professor que mostrou caricatura de Maomé

Crime é investigado como terrorismo; além dos presos, o homem que teria decapitado o professor foi morto

Correio Braziliense
postado em 17/10/2020 23:17
 (crédito: CHRISTOPHE SIMON / AFP)
(crédito: CHRISTOPHE SIMON / AFP)

A polícia francesa já prendeu nove suspeitos de terem participado do assassinato de um professor que mostrou uma caricatura de Maomé a seus alunos. O homem apontado como a pessoa que decapitou o docente foi morto pela polícia. O caso é tratado como terrorismo.

O homem apontado como autor do crime é um russo de 18 anos. Ao ser abordado, por volta das 20h (hora local), ele vestia um colete de explosivos e demonstrava atitude ameaçadora, de acordo com a polícia, que acabou por matá-lo.

Entre sexta-feira (16/10) e este sábado (17/10), foram presos ao todo nove pessoas. Entre eles, estão dois pais de alunos da escola em que professor dava aulas.

O assassinato foi na sexta-feira. O professor foi morto perto da escola, que fica em Conflans-Sainte-Honorine, cidade a 50 km de Paris.

O professor decapitado tinha exibido aos alunos caricaturas do profeta Maomé, durante aula sobre liberdade de expressão. A aula ministrada com caricaturas de Maomé foi alvo de reclamações de um ou mais pais de alunos muçulmanos. Na religião, representações do profeta são vistas como blafêmia.

O presidente da França, Emmanuel Macron, considerou a morte do professor um atentado terrorista. "Um de nossos compatriotas foi assassinado porque ele ensinava seus alunos sobre liberdade expressão, liberdade de crer ou de não crer", afirmou.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação