Pandemia

México aprova vacina da Oxford/AstraZeneca contra o coronavírus

Segundo o presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, a previsão é que entre 700 mil e 750 mil profissionais de saúde sejam vacinados até a primeira quinzena de janeiro

Agência France-Presse
postado em 05/01/2021 08:48
 (crédito: JUSTIN TALLIS / AFP)
(crédito: JUSTIN TALLIS / AFP)

O México concedeu nesta segunda-feira (4/01) a autorização emergencial para o uso da vacina contra a covid-19 desenvolvida pelo laboratório AstraZeneca e pela Universidade de Oxford, anunciou o governo.

A Comissão Federal de Proteção contra Riscos Sanitários (Cofepris) "autorizou a vacina AstraZeneca para uso emergencial contra o vírus SARS-CoV-2", revelou Hugo López-Gatell, subsecretário de Saúde e porta-voz da estratégia do governo no combate ao coronavírus.

No dia 24 de dezembro, o México começou a vacinar seus profissionais de saúde com o imunizante biológico fabricado pela parceria entre as farmacêuticas alemã-americana Pfizer e BioNTech.

Cerca de 30 mil trabalhadores do setor de saúde, cerca de um quarto do que era esperado na primeira etapa, haviam sido vacinados até domingo, segundo o governo.

O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, disse que até a primeira quinzena de janeiro está prevista a vacinação de entre 700 mil e 750 mil profissionais de saúde na linha de frente do combate à pandemia.

O México participa de um convênio com a Fundação do magnata mexicano Carlos Slim, Astrazeneca e a Universidade de Oxford para a produção do imunizante em seu território e na Argentina, bem como sua distribuição sem fins lucrativos na América Latina, exceto no Brasil.

O acordo firmado pelo México inclui a aquisição de 77,4 milhões da vacina AstraZeneca/Oxford. O governo mexicano assinou acordos de 1.659 bilhão de dólares com diversos laboratórios para a compra de até 200 milhões de doses que permitirão imunizar, gratuitamente, até 116 milhões de mexicanos entre 2020 e 2021, segundo o a Secretaria da Fazenda.

O México, com 128 milhões de habitantes, é o quarto país mais atingido pelo novo coronavírus no mundo em números absolutos, com 127.757 mortes e 1,4 milhão de infectados, segundo dados oficiais divulgados até esta segunda-feira.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE