Pandemia

UE compra mais 300 milhões de doses da vacina da Pfizer/BioNTech

Novas doses devem chegar no segundo trimestre deste ano

Agência France-Presse
postado em 08/01/2021 08:30 / atualizado em 08/01/2021 08:44
 (crédito: AFP / Lindsey Parnaby)
(crédito: AFP / Lindsey Parnaby)

Bruxelas, Bélgica -A União Europeia (UE) concluiu um acordo com a BioNTech/Pfizer para aumentar de 300 milhões para 600 milhões o número de doses de seu abastecimento em vacinas anticovid-19, anunciou a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, nesta sexta-feira (8/1).

"Temos, atualmente, acesso a 300 milhões de doses da vacina BioNTech/Pfizer. A boa notícia agora é que acertamos com BioNTech/Pfizer para ampliar este contrato. Com o novo acordo, compraremos um total de até 300 milhões de doses a mais da vacina BioNTech/Pfizer", disse Von der Leyen, em entrevista coletiva.

A UE fechou um pedido firme de mais 200 milhões de doses da vacina fabricada pela aliança do laboratório americano Pfizer com o alemão BioNTech, com a opção de 100 milhões de doses adicionais, detalha a Comissão Europeia em um comunicado.

Essas novas doses começarão a chegar no segundo trimestre de 2021.

Com isso, a UE tem garantida a compra de até 600 milhões de doses dessa vacina autorizada em 21 de dezembro, no momento em que a lentidão das campanhas de vacinação nos Estados-Membros do bloco é bastante criticada.

No total, a UE fechou contratos com seis fabricantes de vacinas, além da Pfizer/BioNTech: com a sueco-americana AstraZeneca, a americana Johnson & Johnson, o duo anglo-francês Sanofi/GSK, a alemã CureVac e a americana Moderna.

As negociações continuam com a americana Novavax.

Apenas duas vacinas, as da Pfizer/BioNTech e Moderna - que receberam sinal verde na quarta-feira (6) - estão atualmente autorizadas pela UE.

"Com essas duas vacinas autorizadas, já garantimos um número de doses que nos permite vacinar 380 milhões de europeus, mais de 80% da população, e outras vacinas se seguirão nas próximas semanas e meses", disse Von der Leyen.

O plano da UE permitirá - de maneira potencial - contar com "2,3 bilhões de doses de vacinas, o que é bem mais do que o necessário para vacinar o conjunto da população", completou.

A BioNTech pretende operar uma nova unidade fabril em Marburg (Alemanha) em fevereiro, capaz de fornecer 250 milhões de doses adicionais no primeiro semestre de 2021, disse o co-diretor da BioNTech, Ugur Sahin, à Spiegel em 1º de janeiro.

Esta unidade alemã irá reforçar a fábrica belga de Puurs, onde são produzidos os lotes destinados à UE.

A Comissão negocia contratos com os laboratórios, cabendo aos Estados, responsáveis pela logística, encomendá-los diretamente. As quantidades disponíveis para cada país são alocadas em proporção à sua população.

Enquanto Berlim buscaria, segundo a mídia alemã, encomendar vacinas fora do processo europeu, Ursula von der Leyen lembrou que essa possibilidade foi excluída por Bruxelas: "Há um arcabouço (da UE), e é legalmente vinculativo. Todos nós aceitamos que não haveria negociações paralelas, nem contratos paralelos", insistiu.

"A estrutura em que trabalhamos é uma estrutura vinculativa aos Vinte e Sete, que negociamos juntos", acrescentou.

Um porta-voz da Comissão já havia indicado na quarta-feira que "tanto quanto sabia", as doses adicionais que Berlim pretendia obter "faziam parte" das atuais negociações europeias.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE