Pandemia

Explosão de infecções causa preocupação na Espanha

Madri foi uma das últimas a anunciar um endurecimento das restrições

Agência France Presse
postado em 15/01/2021 15:18 / atualizado em 15/01/2021 15:27
 (crédito: OSCAR DEL POZO / AFP)
(crédito: OSCAR DEL POZO / AFP)

Depois das férias de Natal, o contágio de covid-19 atingiu níveis recordes na Espanha, onde várias regiões exigem um confinamento quase total, que o governo central descarta por hora.

Madri foi uma das últimas a anunciar um endurecimento das restrições na sexta-feira (15), como proibir reuniões nas residências, adiar o toque de recolher em uma hora até as 23h e o fechamento dos bares às 22h.

Em um mês, a incidência da epidemia mais que dobrou na Espanha, de 194 casos por 100 mil habitantes em duas semanas para 523 na quinta-feira, segundo os últimos dados publicados pelo Ministério da Saúde.

Na semana passada, o país ultrapassou a barreira simbólica de dois milhões de casos confirmados oficialmente. A verdadeira quantidade, porém, é bem maior, segundo estudo divulgado em dezembro pelo governo, que revelou que 10% da população, cerca de 4,7 milhões de pessoas, contraíram o vírus.

Na quinta-feira, o país registrou 201 mortes em 24 horas, elevando o número oficial de mortes para mais de 53 mil, número que também subestima o impacto real, visto que no início da epidemia muitas pessoas morreram sem fazer o PCR.

Mas depois das férias de Natal, durante as quais o governo relaxou levemente algumas restrições, "houve uma mudança significativa na tendência", disse Fernando Simón, epidemiologista-chefe do Ministério da Saúde, na quinta-feira.

As unidades de terapia intensiva (UTI), com uma ocupação média de pacientes com covid de 28%, "estão sofrendo", acrescentou.

As autoridades atribuem esse aumento às reuniões familiares de Natal, e não ao impacto da nova cepa mais contagiosa do vírus que apareceu no Reino Unido, dos quais 88 casos foram confirmados e há mais 200 sob investigação.

"A variante britânica teve muito pouco efeito sobre o que temos observado até agora", disse Simón. Para conter o aumento nos casos, cinco regiões pediram ao governo central que lhes permitisse impor o confinamento nos municípios ou bairros mais afetados.

Mas o executivo do socialista Pedro Sánchez descarta essa medida drástica por enquanto, com a população e os atores econômicos ainda traumatizados pelo confinamento aplicado entre março e junho, um dos mais rígidos do mundo.

Isso "não parece necessário por enquanto", avaliou Simón, em uma posição que contrasta com outros países como o Reino Unido, que reconfigurou sua população.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE