Rota de saída do Afeganistão

Talibãs mantêm controle do principal acesso ao Tadjiquistão

As ofensivas vem ficando mais intensas desde maio, quando iniciou a retirada das tropas americanas

Agência France-Presse
postado em 23/06/2021 09:42 / atualizado em 23/06/2021 09:44
 (crédito: Wakil KOHSAR / AFP)
(crédito: Wakil KOHSAR / AFP)

Os talibãs mantêm sob seu controle, nesta quarta-feira (23/6), a principal rota de saída do Afeganistão para o Tadjiquistão, um eixo crucial para as relações econômicas com a Ásia Central - informaram diferentes fontes locais ouvidas pela AFP.

Depois da tomada do posto fronteiriço de Shir Khan, os insurgentes também continuam a controlar as outras passagens, afirmam autoridades provinciais.

"Os talibãs controlam Shir Khan, e não vejo qualquer movimento por parte do governo para tentar recuperá-lo", lamentou Amruddin Wali, membro do conselho provincial, que também relatou disparos ao redor de Kunduz, a principal cidade do nordeste do território.

O porta-voz da Câmara de Comércio e Indústria, Massoud Wahdat, denunciou saques e destruição. Segundo a Câmara, 150 caminhões carregados de mercadorias esperavam em Shir Khan no momento do ataque.

"Nossos funcionários locais afirmam que os talibãs confiscaram todos os bens e mercadorias no posto fronteiriço e destruíram as alfândegas. Levaram até os aparelhos de ar-condicionado", afirmou.

Já o porta-voz dos insurgentes, Zabiuhulah Mujahid, denunciou uma "propaganda", garantindo que "os mujahedine controlam plenamente Shir Khan, e estamos trabalhando para relançar as operações".

Desde a manhã de terça-feira (22/6), os talibãs controlam o posto fronteiriço mais importante com o Tadjiquistão e as demais rotas para este país, assim como os distritos que levam a Kunduz, a cerca de 50 quilômetros de distância.

De acordo com uma autoridade afegã que não quis ser identificada, "centenas" de talibãs atacaram à noite, obrigando as tropas a fugirem para o Tadjiquistão.

Nesta quarta pela manhã (23/6), o ministro da Defesa, Bismila Khan Mohamadi, fez um primeiro comentário sobre a situação e prometeu "defender o Afeganistão a todo custo".

"Não permitiremos que os talibãs continuem seus planos malignos de impor seu regime ilegítimo ao povo", declarou o ministro, em um comunicado.

Os talibãs vêm intensificando suas ofensivas desde o início, em maio, da retirada das tropas americanas.

Diante dos sucessivos reveses sofridos pelo Exército afegão, em particular nas províncias do norte, o Pentágono anunciou na terça-feira uma possível "desaceleração" das operações.

"Mais de 50 dos 370 distritos afegãos caíram desde o início de maio", a maioria em torno das capitais provinciais que se encontram cercadas, afirmou a representante especial das Nações Unidas em Cabul, Deborah Lyons, na terça-feira (22/6).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE