MEIO AMBIENTE

Cem países se comprometem a salvar as florestas em 2030

O pacto florestal é o primeiro de dois grandes anúncios programados para hoje em Glasgow

Agence France-Presse
postado em 02/11/2021 11:12
 (crédito: ALAIN JOCARD/AFP)
(crédito: ALAIN JOCARD/AFP)

Anna CUENCA

Cerca de 100 líderes mundiais reunidos na grande conferência da ONU sobre mudança climática lançaram, nesta terça-feira (2/11), grandes planos para acabar com o desmatamento em 2030 e reduzir as emissões de metano, dando início a negociações complicadas.

"Nossas florestas são a forma que a natureza captura carbono, retirando CO2 de nossa atmosfera", declarou o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, no terceiro dia da conferência da ONU sobre mudança climática na cidade escocesa de Glasgow.

"Temos que enfrentar essa questão (do desmatamento) com a mesma seriedade da descarbonização de nossas economias", acrescentou ele durante evento dedicado às florestas e ao uso do solo.

Segundo a ONG Global Forest Watch, somente em 2020 a destruição de florestas primárias aumentou 12% em relação ao ano anterior - apesar da desaceleração econômica devido à pandemia - e o Brasil, berço da maior floresta tropical do planeta, teve 9,5% de aumento nas emissões de gases de efeito estufa.

Nesse contexto, do Brasil à China, passando pela Rússia, Indonésia e República Democrática do Congo, os líderes de mais de 100 países assinaram a Declaração de Glasgow, prometendo deter e reverter o desmatamento e a degradação do solo.

Juntos, "eles abrangem 85% das florestas do mundo, uma área de mais de 13 milhões de milhas quadradas" ou 33,6 milhões de km2, de acordo com a presidência britânica da COP26.

Essas medidas serão apoiadas por um fundo de US $ 12 bilhões de dinheiro público contribuído por 12 países entre 2021 e 2025, além de US $ 7,2 bilhões de investimento privado por mais de 30 instituições financeiras globais, incluindo gigantes como Aviva, Schroders e Axa.

As medidas devem apoiar atividades em países em desenvolvimento, como a restauração de terras degradadas, o combate a incêndios florestais e a defesa dos direitos das comunidades indígenas.

"Atuar agora"


Da mesma forma, 28 governos que representam 75% do comércio mundial de commodities essenciais que podem ameaçar as florestas - como óleo de palma, cacau e soja - assinaram outra declaração se comprometendo a reduzir a pressão sobre as florestas, apoiando os pequenos agricultores e melhorando a transparência das cadeias de abastecimento.

"É muito importante ser neutro em carbono, mas também é muito importante ser positivo com a natureza", disse o presidente da Colômbia, Iván Duque, durante o evento, cujo país é 52% ocupado por floresta tropical e 35% por terras amazônicas, com mais de metade dos pântanos - ecossistemas de grande altitude - do mundo.

Mas na Colômbia "não vamos esperar até 2030. Hoje estamos comprometidos em proteger 30% do nosso território como área protegida em 2022, porque temos que agir agora", disse ele, perguntando-se "por que outros países não fazem o mesmo?", quando o seu representa apenas 0,6% das emissões globais de gases de efeito estufa.

Cancelada no ano passado devido à pandemia, a COP26 tem como missão desenvolver o Acordo de Paris de 2015, que tem como principal objetivo limitar o aquecimento global a +1,5 ºC. No entanto, as negociações são anunciadas complicadas.

Na segunda-feira, a Índia, quarto maior emissor de CO2 do mundo, anunciou que não espera atingir a neutralidade de carbono até 2070. Este anúncio representa um atraso de duas décadas em relação a maioria dos países.

Da mesma forma, grupos ambientalistas denunciaram o fim do desmatamento em 2030 como tarde demais e o Greenpeace chamou de "luz verde para mais uma década de destruição florestal".

O pacto florestal é o primeiro de dois grandes anúncios programados para hoje em Glasgow.

À tarde, os líderes se preparam para revelar um acordo global para reduzir as emissões de metano em 30% nesta década, um gás 80 vezes mais poderoso que o CO2 e cujas fontes, como minas de carvão a céu aberto e gado, têm recebido relativamente pouca atenção.

Um alto funcionário do governo dos EUA disse à AFP que 90 países, incluindo "metade dos 30 principais emissores de metano", assinaram o compromisso.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE