Síria

Chefe da diplomacia dos Emirados faz primeira visita à Síria em 10 anos

O ministro das Relações Exteriores dos Emirados Árabes Unidos, Abdallah ben Zayed Al-Nahyan, se reuniu com o presidente sírio Bashar al-Assad em Damasco

Agence France-Presse
postado em 09/11/2021 14:19
O ministro das Relações Exteriores dos Emirados Árabes Unidos, Abdallah ben Zayed Al-Nahyan, se reuniu com o presidente sírio Bashar al-Assad em Damasco -  (crédito:  AFP)
O ministro das Relações Exteriores dos Emirados Árabes Unidos, Abdallah ben Zayed Al-Nahyan, se reuniu com o presidente sírio Bashar al-Assad em Damasco - (crédito: AFP)

O ministro das Relações Exteriores dos Emirados Árabes Unidos, Abdallah ben Zayed Al-Nahyan, se reuniu com o presidente sírio Bashar al-Assad em Damasco nesta terça-feira(8), seu primeiro encontro desde o início da guerra na Síria em 2011, informaram fontes oficiais.


Os Emirados, assim como os outros cinco membros do Conselho de Cooperação do Golfo, romperam relações diplomáticas com a Síria em fevereiro de 2012, devido à repressão sangrenta das manifestações pró-democracia no país, que acabou levando a uma guerra complexa e devastadora.


Assad e o ministro dos Emirados discutiram "as relações entre os dois países irmãos e como desenvolvê-las em todas as áreas", disse a agência de notícias síria Sana.


O presidente sírio elogiou "as posições objetivas e corretas dos Emirados, que sempre estiveram ao lado do povo sírio", segundo as fontes.


Embora os Emirados tenham reaberto sua embaixada em Damasco em dezembro de 2018, as relações bilaterais permaneceram tensas.


Esta visita faz parte dos esforços regionais recentes para aliviar o isolamento de Assad. Assim, no mês passado, o príncipe herdeiro dos Emirados, Mohamed ben Zayed, falou por telefone com o presidente sírio.


A Síria foi marginalizada por grande parte do mundo árabe devido à guerra e alguns países da região apoiaram os rebeldes que se levantaram contra o regime de Assad.


As forças do governo sírio, apoiadas militarmente pela Rússia, Irã e o movimento Hezbollah libanês, retomaram o controle de grande parte do território do país desde 2015 e atualmente controlam a maioria das grandes cidades.


Além da frente diplomática, o governo sírio também quer relançar suas relações econômicas com seus vizinhos, já que o país sofre uma grave crise econômica causada pela guerra e sanções ocidentais.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE