Globovisión

Empresário venezuelano nega vínculo com ex-tesoureira de Chávez

Gorrín é acusado de supostamente ter lavado entre 2008 e 2017 mais de 159 milhões de dólares procedentes de corrupção no país produtor de petróleo

Agência France-Presse
postado em 15/11/2021 13:42 / atualizado em 15/11/2021 13:43
"Quero alertar que com provas falsas os Estados Unidos pretendem, mais uma vez, vincular-me a Claudia Díaz", escreveu no Twitter - (crédito: Raúl Gorrín/Instagram/Reprodução)

Caracas, Venezuela — O empresário venezuelano Raúl Gorrín negou no domingo vínculos com a ex-tesoureira do ex-presidente Hugo Chávez, Claydua Díaz, que será extraditada para os Estados Unidos.

Gorrín, dono da seguradora La Vitalicia e do canal privado de televisão Globovisión na Venezuela, foi indiciado em 2018 por lavagem de dinheiro, conspiração e suborno e está na lista dos mais procurados pelos EUA.

“Quero alertar que com provas falsas os Estados Unidos pretendem, mais uma vez, vincular-me a Claudia Díaz e [seu marido] Adrián Velásquez, por meio de duas operações bancárias que de forma alguma nos vinculam”, escreveu o empresário no Twitter.

O empresário fez referência a duas transações, que segundo a denúncia, ele teria feito a Díaz e Velásquez.

Díaz, que foi enfermeira de Chávez, atuou como diretora do Escritório do Tesouro Nacional da Venezuela (ONT) entre 2011 e 2013. Presa na Espanha, a Suprema Corte Nacional autorizou sua extradição em outubro.

Gorrín é acusado de supostamente ter lavado entre 2008 e 2017 mais de 159 milhões de dólares procedentes de corrupção no país petrolífero.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE