EUA

Kyle Rittenhouse, jovem que matou dois manifestantes antirracistas nos EUA, é absolvido

O jovem americano Kyle Rittenhouse, que matou duas pessoas com um rifle semiautomático e feriu uma terceira durante as manifestações antirracistas em agosto de 2020

Agence France-Presse
postado em 19/11/2021 15:49 / atualizado em 19/11/2021 17:41
 (crédito:  Getty Images via AFP)
(crédito: Getty Images via AFP)

O americano Kyle Rittenhouse, que matou duas pessoas com um fuzil semiautomático e feriu uma terceira durante as manifestações antirracistas em agosto de 2020 no Wisconsin, foi absolvido nesta sexta-feira(19) em um julgamento amplamente seguido nos Estados Unidos.


No quarto dia de deliberações, todos os doze jurados consideraram Rittenhouse, um jovem branco de 18 anos, "inocente" das cinco acusações contra ele, incluindo de homicídio.


Rittenhouse, que enfrentava uma sentença de prisão perpétua, alegou ter agido em legítima defesa.


Quando o veredicto foi lido, ele soluçou antes de sair rapidamente do tribunal.


O julgamento, indicativo das divisões na sociedade americana quanto ao uso de armas, direito à legítima defesa e ao movimento antirracista Black Lives Matter, foi amplamente divulgado no país e como se esperava, suscitou descontentamentos.


O prefeito democrata de Nova York, Bill de Blasio, criticou o que chamou de "negação da justiça", enquanto a congressista republicana Mary Miller tuitou: "Deus abençoe a América".


Como medida de precaução, o governador de Wisconsin pediu a 500 soldados da Guarda Nacional que estivessem prontos para intervir em Kenosha.


 "Turista do caos" 


Em 23 de agosto de 2020, esta cidade na região dos Grandes Lagos foi palco de tumultos depois que a polícia feriu gravemente um jovem negro, Jacob Blake, que foi baleado nas costas durante uma tentativa de prisão.


Kyle Rittenhouse, que tinha 17 anos na época, armou-se com um fuzil semiautomático e se juntou a grupos armados que afirmavam agir para "proteger" os comércios.


Em circunstâncias confusas, ele abriu fogo, matando dois homens e ferindo um terceiro. Todas as suas vítimas são brancas.


"Não fiz nada de errado, apenas me defendi", disse o jovem soluçando durante o julgamento, e garantiu que atirou depois de ser perseguido e atacado pelos três homens, também brancos.


O réu era "um turista do caos" que "buscava excitação" e "voluntária e conscientemente se colocou em uma situação perigosa", afirmou o promotor Thomas Binger na acusação.


Kyle Rittenhouse apareceu em julgamento em liberdade, depois que seus amigos próximos pagaram uma fiança de 2 milhões de dólares.


O jovem tornou-se efetivamente uma referência para os círculos de direita segundo os quais a grande mobilização contra a violência policial no verão de 2020 foi obra de "antifascistas" e "anarquistas".


Ao contrário, para a esquerda, ele encarna os excessos da cultura das armas e do direito à autodefesa.


No Twitter, o movimento Black Lives Matter anunciou que não ficou surpreso com o veredicto.


"O sistema funciona exatamente como se supõe que faz (...) Para proteger a supremacia branca".


"Isso ilustra a necessidade urgente de reformar a justiça e nosso sistema penal, que está falido", acrescentou Shaadie Ali, representante da poderosa organização de direitos civis ACLU.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE