Covid-19

Cepa ômicron coloca o planeta em alerta

Reino Unido, Itália, República Tcheca e Alemanha confirmam casos da nova variante. Holanda detecta coronavírus em 61 passageiros de dois voos. África do Sul critica restrições. Israel fecha as fronteiras para todos os estrangeiros

Rodrigo Craveiro
postado em 28/11/2021 06:00
O primeiro-ministro do Reino Unido. Boris Johnson, reage a perguntas de jornalistas sobre a nova variante, ao anunciar medidas preventivas -  (crédito: Hollie Addams/ AFP)
O primeiro-ministro do Reino Unido. Boris Johnson, reage a perguntas de jornalistas sobre a nova variante, ao anunciar medidas preventivas - (crédito: Hollie Addams/ AFP)

Itália, Reino Unido, República Tcheca e Alemanha confirmaram, no último sábado (27/11), os primeiros casos de infecção pela ômicron — identificada na África do Sul, na quarta-feira, a nova cepa do Sars-CoV-2 apresenta pelo menos 50 mutações em seu RNA e é considerada muito mais infecciosa do que a variante delta. Na sexta-feira, a Bélgica também tinha anunciado um diagnóstico positivo. A Holanda detectou a covid-19 em 61 passageiros de dois voos procedentes da África do Sul e não descarta a presença da ômicron entre eles. Assim que desembarcaram no Aeroporto Internacional de Schiphol, em Amsterdã, os viajantes foram colocados em vans e transferidos até um hotel, onde ficarão sob quarentena rigorosa. 

Ao anunciar dois casos da ômicron no Reino Unido — relacionados entre si e com uma viagem para a África do Sul — o primeiro-ministro Boris Johnson impôs novas restrições para tentar conter a transmissão. Os britânicos terão que usar máscaras no transporte público e nos estabelecimentos comerciais a partir desta semana. Qualquer pessoa que chegar ao Reino Unido será obrigada a se submeter ao teste de PCR e ficar em isolamento até a liberação do resultado. Por sua vez, todos os indivíduos que tiverem contato com cidadãos diagnosticados com a ômicron obedecerão a uma quarentena. "Eu devo enfatizar isso: como sempre, com uma nova variante, há muitas coisas que apenas não podemos saber neste momento. Nossos cientistas aprendem mais, hora após hora. Parece que a ômicron se espalha muito rapidamente e pode se disseminar entre pessoas duplamente vacinadas", declarou o premiê.

Vans levam passageiros que testaram positivo a hotel de Amsterdã, onde cumprirão quarentena
Vans levam passageiros que testaram positivo a hotel de Amsterdã, onde cumprirão quarentena (foto: Laurens Bosch/ANP/AFP)

A Itália descobriu a cepa em um homem procedente de Moçambique, que vive em Nápoles. As autoridades investigam um caso suspeito em um cidadão que completou o ciclo de imunização com duas doses. Dois casos positivos para a cepa foram detectados pela Alemanha no aeroporto de Munique — ambos vindos da África do Sul; uma suspeita envolve um desembarque em Frankfurt. 

A rápida propagação pela Europa, além de Israel, Botsuana e Hong Kong, levou vários países, inclusive o Brasil, a proibirem a entrada de viajantes a partir da África do Sul e de nações da África Austral. Paquistão, Japão, Egito, Cingapura, Malásia, Jordânia, Rússia, Turquia, Estados Unidos, Canadá e França também impuseram restrições à entrada de cidadãos do sul do continente africano. 

Em comunicado, o Ministério das Relações Exteriores da África do Sul afirmou que a última rodada de proibições de viagens equivale a "punir o país pelo sequenciamento genômico avançado e pela capacidade de detectar novas variantes mais rapidamente". "A ciência excelente deveria ser aplaudida e não punida", acrescentou a nota.

Nos Estados Unidos, o infectologista Anthony Fauci — chefe da força-tarefa da Casa Branca contra a covid-19 — admitiu que a ômicron pode estar circulando dentro do país. A governadora de Nova York, Kathy Hochul, decretou estado de emergência, em antecipação à nova cepa. Ontem, Israel fechou as fronteiras para todos os estrangeiros por um período de duas semanas. 

Virologistas

O Correio entrevistou virologistas sul-africanos sobre as medidas de restrição a voos anunciadas nas últimas 48 horas pela comunidade internacional e sobre o potencial de risco representado pela cepa ômicron. Wolfgang Preiser, diretor do Departamento de Virologia Médica da Universidade Stellenbosch, na Cidade do Cabo, advertiu que os vetos às viagens aéreas a partir da África do Sul e de outros países da África Austral não serão capazes de impedir a propagação da nova variante, caso seja tão facilmente transmissível quanto se teme. "No entanto, essas medidas poderão desacelerar a disseminação e nos fornecer mais tempo para melhor prepararmos a resposta. Ao soarmos o alerta tão cedo, demos a países a chance de detectarem, precocemente, esses casos importados. É o que acontece agora no Reino Unido, na Itália, na Bélgica e na Alemanha", explicou. 

Reitor da Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade de Witwatersrand, em Johannesburgo, Shabir A. Madhi disse que as mutações identificadas no RNA da ômicron sugerem que a nova variante possa ser ligeiramente mais transmissível do que a cepa delta, além de apresentar sensibilidade reduzida à atividade de anticorpos induzida por uma infecção anterior ou pelas vacinas. "O grau de comprometimento dos imunizantes provavelmente será diferente. Mas é provável que as vacinas funcionem bem na proteção contra casos graves provocados pela ômicron", afirmou o especialista sul-africano.   

 

 

  • Vans levam passageiros que testaram positivo a hotel de Amsterdã, onde cumprirão quarentena
    Vans levam passageiros que testaram positivo a hotel de Amsterdã, onde cumprirão quarentena Foto: Laurens Bosch/ANP/AFP
  • Wolfgang Preiser, diretor do Departamento de Virologia Médica da Universidade Stellenbosch, em Cidade do Cabo
    Wolfgang Preiser, diretor do Departamento de Virologia Médica da Universidade Stellenbosch, em Cidade do Cabo Foto: Arquivo pessoal
  • Shabir A. Madhi, reitor da Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade de Witwatersrand, em Johannesburgo
    Shabir A. Madhi, reitor da Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade de Witwatersrand, em Johannesburgo Foto: Arquivo pessoal
Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE