Equador

Controladoria do Equador arquiva investigação contra presidente por Pandora Papers

A Controladoria Geral do Equador arquivou uma investigação contra o presidente Guillermo Lasso diante da falta de indícios de que ele teria patrimônio em paraísos fiscais

Correio Braziliense
postado em 07/12/2021 18:23
 (crédito: RODRIGO BUENDIA)
(crédito: RODRIGO BUENDIA)

A Controladoria Geral do Equador arquivou uma investigação contra o presidente Guillermo Lasso diante da falta de indícios de que ele teria patrimônio em paraísos fiscais quando inscreveu sua candidatura para as eleições que venceu em 2021, informou nesta terça-feira (7) a Secretaria de Comunicação da Presidência.

O órgão, encarregado da vigilância fiscal do Estado, "determinou o arquivamento do processo do exame especial efetuado para determinar a suposta infração relacionada com bens ou capitais em jurisdições ou regimes considerados como paraísos fiscais", assinalou a secretaria em comunicado.

A investigação foi iniciada depois que o nome de Lasso apareceu nos "Pandora Papers".

Segundo essa investigação jornalística, o presidente - um ex-banqueiro de direita que assumiu o poder em maio - controlava 14 sociedades offshore, a maioria com sede no Panamá, e as encerrou depois que o ex-mandatário Rafael Correa (2007-2017) aprovou uma lei, em 2017, que proibia os candidatos presidenciais de possuir empresas em paraísos fiscais.

"Quando você trabalha de forma transparente, a verdade sempre prevalece", afirmou Lasso em seu perfil no Twitter, em uma postagem na qual compartilhou a decisão da Controladoria que - segundo ele - "mostra que eu cumpri a lei".

O órgão de controle detalhou que "não foram encontrados elementos objetivos que comprovem que as datas de inscrição da candidatura para presidente [...] e de posse do cargo mencionado era proprietário direto ou indireto" de bens em paraísos fiscais, informou a Secretaria de Comunicação.

Lasso se defendeu argumentando que possuía "investimentos legítimos em outros países", dos quais se desfez, como manda a lei, para ser candidato.

A Comissão de Garantias Constitucionais do Congresso - que é controlado pela oposição - também investigou Lasso pelo mesmo caso, mas o presidente se recusou a comparecer ante os legisladores, alegando que o faria assim que fossem apresentados todos os testemunhos e convidando os integrantes da comissão a ouvir sua versão na sede do Executivo, o que não aconteceu.

Esse colegiado aprovou um relatório não vinculante - que será votado hoje - no qual recomendou à Assembleia Nacional verificar a "inobservância" por parte de Lasso das normas que proíbem candidatos e funcionários de possuir investimentos em paraísos fiscais.

Diante desse descumprimento, o Congresso deveria aplicar um artigo constitucional que lhe permite destituir o presidente "por grave crise política e comoção interna", segundo a opinião da comissão.

O governo, por outro lado, considera que a oposição quer promover um "golpe de Estado" com esse relatório da comissão parlamentar.

A oposição da União pela Esperança (UNES), o movimento ligado ao ex-presidente Rafael Correa, é - mas sem ser maioria - a principal força política no Congresso equatoriano, com 48 das 137 cadeiras do Parlamento.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE