Guerra na Europa

Biden autoriza envio de US$ 200 milhões em equipamento militar para a Ucrânia

Mesmo sem a Otan participar do confronto, o presidente estadunidense garantiu que enviará ajuda para o país de Zelensky. A Rússia não está reagindo bem a ajuda internacional durante a invasão

Pedro Grigori
postado em 12/03/2022 21:47 / atualizado em 12/03/2022 21:47
 (crédito: Mauricio Campino/USAF/AFP)
(crédito: Mauricio Campino/USAF/AFP)

A Ucrânia receberá um importante reforço na resistência contra a invasão russa. Neste sábado (12/3), o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, aprovou o envio de US$ 200 milhões em equipamento militar para o país governado por Volodymyr Zelensky. A ação deve desagradar a Rússia, que já havia prometido "consequências perigosas" quando países da União Europeia ajudaram os ucranianos.

Biden enviou um memorando ao secretário de Estado, Antony Blinken, onde autoriza a liberação dos recursos milionários em “material e serviços de defesa do Departamento de Defesa" e "treinamento militar", para "levar ajuda à Ucrânia".

Segundo a AFP, Washington autorizou uma ajuda sem precedentes de 350 milhões de dólares em equipamento militar em 26 de fevereiro, dois terços dos quais foram entregues em 4 de março. O Congresso dos EUA aprovou, na última quinta-feira (10/3) um novo orçamento federal que inclui quase 14 bilhões de dólares em fundos para a crise da Ucrânia.

O vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Ryabkov, disse em entrevista à emissora de televisão Pervy Kanal ter "advertido os Estados Unidos" que estes "comboios" estavam se tornando "alvos legítimos", citando os sistemas de defesa aérea portáteis e sistemas de mísseis antitanques.

Em 28 de fevereiro, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, já havia feito um alerta semelhante, mas direcionado à União Europeia. "O envio de armamentos, equipamentos militares para o território da Ucrânia, do nosso ponto de vista, pode ser e será um fator extraordinariamente perigoso e desestabilizador, que em nenhum caso contribuirá para a estabilidade da Ucrânia e para a restauração da ordem", disse em entrevista coletiva.

Até o momento, 14 nações já enviaram equipamentos militares para a Ucrânia. A Alemanha, mesmo tendo uma importante relação comercial com a Rússia, forneceu mil armas antitanques e 500 mísseis Stinger. Suécia e Finlândia enviaram milhares de armas antitanques. Reino Unido, Austrália, Dinamarca, Estônia e outros também já enviaram equipamentos.

Com informações da AFP. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE