Guerra na Ucrânia

Secretário-geral da ONU diz que guerra da Ucrânia é "impossível de ganhar"

Antônio Guterres disse que a guerra da Ucrânia não pode ser conquistada "casa por casa" e pediu que os combates parem e que "se dê uma chance à paz"

Agence France-Presse
postado em 22/03/2022 15:23
 (crédito: ANGELA WEISS / AFP)
(crédito: ANGELA WEISS / AFP)

A Ucrânia não pode ser conquistada "casa por casa", alertou o secretário-geral da ONU, Antônio Guterres, nesta terça-feira (22), pedindo que os combates parem e que "se dê uma chance à paz".

"Esta guerra é impossível de vencer", disse ele a repórteres na sede do órgão mundial em Nova York, "mais cedo ou mais tarde, terá que passar do campo de batalha para a mesa da paz" disse.

"É hora de parar com essa guerra absurda, o bombardeio de hospitais, escolas, prédios residenciais e abrigos", disse ele, alertando que "a Ucrânia não pode ser conquistada cidade por cidade, rua por rua, casa por casa", relacionando com a cidade de Mariupol, que foi bombardeada e amplamente destruída pelas forças russas.

Guterres considerou que a guerra, que eclodiu com a invasão da Ucrânia lançada pela Rússia em 24 de fevereiro passado, "não vai a lugar nenhum, tão rápido".

Além do "inferno" que os ucranianos estão vivendo - 10 milhões de pessoas foram deslocadas em menos de um mês de conflito - "as consequências estão sendo sentidas em todo o mundo com os preços dos alimentos, energia e fertilizantes devido as nuances que ameaçam desencadear uma crise de fome mundial", afirmou.

Nesta quarta-feira, uma reunião especial da Assembleia Geral da ONU foi convocada por um grupo de países, a 11ª desde o início da invasão russa da Ucrânia iniciada em 24 de fevereiro. Espera-se que seja votada uma nova resolução sobre as consequências humanitárias do conflito, proposta pelo México e pela França e que até agora tem 66 copatrocinadores.

Em 2 de março, 141 países votaram a favor de outra resolução condenando a invasão russa contra 35 abstenções (incluindo China, Cuba, Nicarágua, El Salvador, Bolívia, Índia, Irã, Iraque, Cazaquistão ou Paquistão) e cinco votos contra (Coreia do Norte , Síria, Belarus, Eritreia e a própria Rússia).

A resolução atual do México e da França é contestada pela Rússia e vários de seus aliados, que não querem que o nome do país apareça no texto, alegando que isso o "politiza".

A África do Sul, que se absteve na votação de 2 de março, apresentou um projeto de resolução alternativo, no qual a Rússia não é mencionada.

Segundo diplomatas consultados pela AFP, o texto sul-africano é "muito semelhante a um texto" que a Rússia pretende colocar à votação, também na quarta-feira, em reunião paralela do Conselho de Segurança, onde tem direito de veto.

Dada a falta de apoio, a Rússia desistiu na semana passada em várias ocasiões de colocá-lo em votação.

Um diplomata europeu, que pediu anonimato, disse à imprensa na segunda-feira que é necessário "isolar a Rússia" e que países como a China "se distanciem" de Moscou.


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE