Guerra no leste europeu

China vê guerra na Ucrânia como briga entre Rússia e Otan, liderada pelos EUA

Porta-voz da chancelaria de Pequim reafirma amizade com Moscou e propõe a adoção de novo exemplo de diplomacia baseado na não-aliança. Chineses veem a invasão à Ucrânia como um conflito entre os russos e a Otan, liderada pelos EUA

Rodrigo Craveiro
postado em 30/04/2022 06:00
 (crédito: Alexei Druzhinin/Sputnik/AFP)
(crédito: Alexei Druzhinin/Sputnik/AFP)

Na contramão da diplomacia ocidental, enquanto os Estados Unidos e a União Europeia têm condenado e punido Moscou pela invasão à Ucrânia, a China não somente reforça a retórica de apoio à Rússia, como propõe uma reformulação da ordem internacional. O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, considerou o conflito no Leste da Europa como uma guerra entre a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), liderada pelos EUA, e a Rússia, além de exaltar o elo entre Pequim e Moscou. O pronunciamento de Zhao foi dado um dia depois de mísseis russos atingirem Kiev, matando uma jornalista, durante a visita do secretário-geral da ONU, António Guterres. 

"Uma importante lição do sucesso das relações entre China e Rússia é que os dois lados se mostram superiores ao modelo da aliança política e militar da era da Guerra Fria, e se comprometem a desenvolver um novo modelo de relações internacionais baseado na não-aliança, na não-confrontação e em não visar terceiros países. Isso é fundamentalmente diferente da mentalidade da Guerra Fria", declarou Zhao.

Cientista político e professor do Departamento de Relações Internacionais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Mauricio Santoro lembrou ao Correio que, dias antes do início da invasão à Ucrânia, Xi e Putin se reuniram. "Na ocasião, ambos disseram que a relação entre os dois países era uma amizade sem limites. Há uma tentativa de se construir uma aliança diferente da Otan. Essa relação entre Pequim e Moscou não é um acordo militar baseado na autodefesa, mas uma série de parcerias econômicas e políticas", avaliou.

Segundo ele, a relação sino-russa se torna mais profunda, dada a dimensão continental das duas nações e seu peso nas relações internacionais. "Ainda que não endossem totalmente a guerra, os chineses seguem apoiando, política e diplomaticamente, os russos e tentando reduzir os impactos das sanções", explicou Santoro.

O especialista acrescenta que o centro da relação da China com a Rússia é uma tentativa de formar uma coalizão política com visões sobre a ordem global muito mais crítica do que a do Ocidente. "A parceria é, substancialmente, um acordo político, propondo uma visão de mundo alternativa à preconizada pelo Ocidente. Essa coalizão tem um desdobramento mais suave com os Brics (grupo formado por Brasil, Rússia, Índia e África do Sul) e mais pesado, sobretudo no Oriente Médio. A parceria entre Pequim e Moscou tem proximidade com países como Síria e Irã, que mantêm uma relação bastante conturbada com os europeus e os norte-americanos", concluiu Santoro.

Morte

A jornalista Vira Hyrych, 55 anos, produtora da Rádio Free Europe/Radio Liberty, estava feliz com a compra do apartamento no prédio de 25 andares situado em Shevchenkivskyi, distrito central de Kiev. Na quinta-feira, enquanto Guterres, visitava o presidente Volodymyr Zelensky, cinco mísseis foram disparados pela Rússia. Um deles atingiu em cheio o apartamento de Vira, matando-a na hora. Ontem, a Rússia confirmou que atacou Kiev com armas de "alta precisão de longo alcance" contra as instalações da empresa espacial e de fabricação de mísseis Artyom. O Kremlin não admitiu ter atingido um edifício residencial. Guterres classificou o bombardeio como "maldoso".  

Vira Hyrych, jornalista morta em bombardeio à capital ucraniana, na noite de quinta-feira
Vira Hyrych, jornalista morta em bombardeio à capital ucraniana, na noite de quinta-feira (foto: Facebook/Reprodução)

O jornalista e ativista Maksym Butkeyych, 44 anos, contou ao Correio que conheceu Vira há 20 anos. "Eu trabalhava para a tevê ucraniana. Ela era produtora e me ajudava na organização, na produção de textos, em assuntos logísticos e no levantamento de informações. Atuamos, juntos, nas emissoras STB e 1 1. No âmbito pessoal, era muito legal, sempre calma e interessada no escopo mais amplo do conhecimento. Tinha a habilidade de ser sempre correta e educada." Em 24 de fevereiro, ele se alistou às forças armadas. "Hoje, sou tenente. Ajudei a liberar vilarejos", disse.

Maksym soube que os pais de Vira enfrentaram um mês de ocupação russa, perto de Kiev. "Ela temia pela segurança deles. Ninguém poderia prever que Vira se tornaria vítima dos assassinos russos."

  • Vira Hyrych, jornalista morta em bombardeio à capital ucraniana, na noite de quinta-feira
    Vira Hyrych, jornalista morta em bombardeio à capital ucraniana, na noite de quinta-feira Foto: Facebook/Reprodução
  • Socorristas carregam o corpo da jornalista Vira Hyrych, depois que seu apartamento foi atingido por foguete russo, em Kiev
    Socorristas carregam o corpo da jornalista Vira Hyrych, depois que seu apartamento foi atingido por foguete russo, em Kiev Foto: Sergei Supinsky/AFP

"O ataque a Kiev não vai nos atrapalhar", diz Saviano Abreu

 (crédito: Arquivo pessoal )
crédito: Arquivo pessoal

"Foi chocante estar em Kiev e ocorrer um ataque tão perto da gente. Não foi surpresa. Estamos em um país em guerra. O secretário-geral (António Guterres) repetiu que a guerra é uma violação à Carta da ONU. Durante todo o momento do ataque, ele estava em reuniões com o governo ucraniano. Nós, da ONU, temos falado que até guerras têm normas. Nenhuma infraestrutura civil pode ser atacada. Um ataque que destrói um prédio, uma escola ou um hospital vai contra o direito internacional e é um crime de guerra. O bombardeio de quinta-feira não atrapalhou em nenhum momento, nem vai atrapalhar, a missão que trouxe o secretário-geral à Ucrânia: prestar assistência humanitária a quem precisa disso da maneira mais urgente possível." 

Porta-voz do Escritório Humanitário da ONU (Ocha), brasileiro, 38 anos. Estava em Kiev, na quinta-feira, acompanhando o secretário geral, António Guterres. Depoimento ao Correio

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE