Guerra

Em nova reunião, G7 propõe novas restrições e embargos à Rússia

Desde o início da ofensiva, os países ocidentais adotaram uma série de medidas na tentativa de conter a escalada dos ataques contra o território ucraniano

Correio Braziliense
postado em 27/06/2022 06:00
 Entre os embargos a serem anunciados, o que proíbe o ouro russo   -  (crédito:  AFP)
Entre os embargos a serem anunciados, o que proíbe o ouro russo   - (crédito: AFP)

A invasão russa à Ucrânia é a pauta do encontro dos líderes do G7 aberto neste domingo (27/6), na Alemanha. Os representantes discutiram novas sanções contra o Kremlin e pediram a unidade do grupo. Entre as medidas a serem adotadas, está o fim das importações de ouro da Rússia.

"Juntos, o G7 anunciará que proibiremos o ouro russo, uma importante fonte de exportação, privando a Rússia de bilhões de dólares", declarou o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden.

Em 2021, apenas com as exportações do metal, a Rússia movimentou mais de US$ 15,5 bilhões, conforme dados apresentados pelo primeiro ministro do Reino Unido, Boris Johnson. "Essas medidas atingirão diretamente os oligarcas russos", declarou o premier.

A expectativa é que as sanções sejam anunciadas coletivamente amanhã.

Desde o início da ofensiva, os países ocidentais adotaram uma série de medidas na tentativa de conter a escalada dos ataques contra o território ucraniano. Apesar da rigidez das ações, o presidente russo Vladimir Putin não esboçou desconforto e segue na aposta de um conflito sem data para acabar.

Convidado a participar do encontro, o presidente da Ucrânia Volodimir Zelensky se somará à cúpula hoje, de forma virtual. O governo ucraniano deve voltar a pedir a ampliação das sanções restritivas.

União

A soma de esforços dos países membros do G7 no enfrentamento ao confronto foi elogiada. Na avaliação de Biden, o presidente russo apostava "que, de uma forma ou de outra, a Otan e o G7 se separassem. Mas não o fizemos e não vamos", afirmou.

União reconhecida pelo anfitrião da cúpula, o chanceler alemão Olaf Scholz. Segundo ele, "Putin não esperava" e pediu aos países que "compartilhem a responsabilidade" de enfrentar os desafios crescentes do conflito.

Apesar dos pedidos pela unidade do grupo, Boris Johnson alertou para o risco de "cansaço" nos países ocidentais, frente ao avanço das forças russas na região do Donbass, no leste da Ucrânia.

Infraestrutura

Outro ponto de tensão a ser discutido no encontro do G7 está na China. Os líderes do ocidente querem conter o gigante asiático e suas "Novas Rotas da Seda" investindo maciçamente na infraestrutura dos países da África, Ásia e América Latina.

Para isso, anunciou o lançamento de um grande programa de investimentos, chamado "Associação Mundial para Infraestruturas", com o objetivo de mobilizar 600 bilhões de dólares até 2027, para financiar infraestruturas de países em desenvolvimento.

CONTINUE LENDO SOBRE