INCLUSÃO NA IGREJA

Papa envia carta a padre pró-LGBT: 'Jesus era próximo de todos'

Chefe da Igreja Católica escreveu a padre James Martin que 'quando superamos as barreiras, percebemos que há mais que nos une do que nos separa'

Izabella Caixeta - Estado de Minas
postado em 05/08/2022 15:36
Papa Francisco incentivou padre pró-LGBTQIA+ a continuar pregando a inclusão, a compaixão e a ternura -  (crédito: Patrick T. Fallon/AFP)
Papa Francisco incentivou padre pró-LGBTQIA+ a continuar pregando a inclusão, a compaixão e a ternura - (crédito: Patrick T. Fallon/AFP)

Em busca de uma Igreja Católica cada vez mais inclusiva, o papa Francisco enviou uma carta ao sacerdote James Martin, padre jesuíta conhecido por defender a comunidade LGBTQIA+, incentivando-o a continuar seu trabalho. "Encorajo todos vocês a continuar trabalhando na cultura do encontro, que encurta as distâncias e nos enriquece com as diferenças, à maneira de Jesus, que se fez próximo de todos", escreveu Francisco.

A correspondência foi uma resposta ao envio de um panfleto de divulgação do evento "Outreach", conferência anual do Ministério Católico LGBTQ realizada em Fordham University, nos Estados Unidos, entre 24 e 25 de junho. Na carta com data de 20 de julho e escrita em espanhol, Francisco parabenizou o padre Martin por poder fazer o evento acontecer este ano pessoalmente, após dois anos de pausa devido à pandemia de COVID-19. O papa ainda destaca a importância dos encontros nas relações humanas.

"Na verdade, a pandemia nos fez buscar alternativas para encurtar as distâncias. Também nos ensinou que certas coisas são insubstituíveis, entre elas a possibilidade de nos olharmos ‘cara a cara’ mesmo com quem pensa diferente ou com aqueles cujas diferenças parecem nos separar ou mesmo nos confrontar", escreveu o papa. Francisco segue a carta observando que, "quando superamos as barreiras, percebemos que há mais que nos une do que nos separa".

Outras correspondências

Essa é a terceira vez que o padre Martin e o papa Francisco trocam correspondências. A primeira vez foi em julho de 2021, para divulgar o evento "Outreach 2021". Na resposta, o pontífice encorajou Martin a continuar pregando a inclusão, a compaixão e a ternura, e afirma que o sacerdote prega o estilo de Deus, sendo um sacerdote para todos: "Deus está próximo e ama cada um de seus filhos. Seu coração está aberto a todos."

Em maio de 2022, padre Martin enviou uma carta a Francisco pedindo ajuda para responder perguntas mais comuns entre católicos LGBTQIA e suas famílias. Novamente, o papa explicou que: "Deus é Pai e não repudia nenhum de seus filhos" e que "o estilo de Deus é proximidade, misericórdia e ternura".

Papa da inclusão

Francisco é o primeiro papa do continente americano e pertencente à ordem jesuíta e a ser eleito chefe da Igreja Católica. Desde o início de seu pontificado, em 2013, Francisco se mostrou aberto à inclusão da comunidade LGBTQIA. A primeira declaração foi em julho de 2013, onde declarou "Se um gay busca Deus, quem sou eu para julgar", durante um voo para Roma. O que levou a uma grande reprovação por parte dos membros mais conservadores da igreja.

Em maio de 2018, o papa disse "Deus te ama assim" a um homem gay eu havia sido vítima de pedofilia no Chile. Em janeiro deste ano, Francisco pediu aos pais que não condenem, mas apoiem seus filhos gays.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE