Notícias

'Quando alguém controla o dinheiro na relação, controla a relação profundamente'

Em seu livro 'Sea State', Tabitha Lasley fala sobre relações amorosas são impactadas por questões ligadas a dinheiro e classe social.

Tabitha Lasley queria descobrir como os homens agem quando não há mulheres por perto -  (crédito: Tabitha Lasley)
Tabitha Lasley queria descobrir como os homens agem quando não há mulheres por perto - (crédito: Tabitha Lasley)
BBC
Norberto Paredes - BBC News Mundo
postado em 02/02/2024 15:26 / atualizado em 02/02/2024 18:00

Tabitha Lasley queria descobrir como os homens agem quando não há mulheres por perto, mas, apesar de encontrar o lugar e a hora perfeitos, ela nunca descobriu.

"Eu sou uma mulher", ela ri.

O bom é que ela conseguiu ter uma ideia e achou outras coisas muito interessantes.

Depois de perceber que precisava deixar o namorado abusivo e que seu trabalho como jornalista em uma revista imobiliária de Londres não a estava deixando feliz, Tabitha decidiu desistir de tudo.

Fez as malas e seguiu os seus impulsos e o seu grande sonho: escrever um livro sobre as plataformas petrolíferas do Mar do Norte e os seus trabalhadores, a grande maioria homens de cidades pós-industriais do norte de Inglaterra, onde ela cresceu.

Querendo superar essa mini-crise existencial, chegou à capital petrolífera da Europa, Aberdeen, na Escócia, onde gastou grande parte das suas poupanças no aluguel de um pequeno apartamento durante cinco meses, quando esteve rodeada de homens que deixaram sua vida de cabeça para baixo.

No final, sua aposta valeu a pena.

A maior foi a publicação de seu livro Sea State (estado marítimo, em tradução livre), no qual escreveu suas memórias em Aberdeen.

Naquela cidade ela se apaixonou pelo primeiro trabalhador que entrevistou, se redescobriu, chorou e, acima de tudo, tentou combater a misoginia num setor onde reina a masculinidade tóxica.

A obra aborda questões sociais que Tabitha achou muito mais interessantes do que a extração de petróleo em si, como o dinheiro e como ele molda as classes sociais, e a vida familiar desses homens que passam metade do tempo longe da família.

A BBC News Mundo, serviço em espanhol da BBC, conversou com ela durante o Hay Festival Cartagena de Indias, que aconteceu de 25 a 28 de janeiro, em Cartagena, na Colômbia.

BBC - Como a vida familiar é afetada quando um membro da família está sempre ausente para trabalhar?

Tabitha Lasley - Quando você fica fora metade do tempo, não consegue criar os mesmos laços que outras pessoas que trabalham das 9h às 17h podem criar.

Um homem que entra pela porta no mesmo horário todas as noites, come com a família e coloca os filhos para dormir terá uma noção mais forte de como é um lar estável e pertencer a essa família.

O vínculo que normalmente une uma família, que geralmente são as atividades que realizam juntos, não está presente.

BBC - No seu livro você também fala sobre dinheiro, quem tem e quem não tem. O que você diria que é uma grande diferença entre os dois grupos?

Lasley - Realmente, um dos temas principais do livro é dinheiro.

Quando alguém controla todo o dinheiro de um relacionamento, também controla o relacionamento, e de uma forma muito profunda.

96% dos parceiros abusivos são financeiramente abusivos, além de se envolverem em outras formas de abuso.

Parte do controle é ter e administrar dinheiro.

Obviamente nem todas as pessoas que ganham muito mais dinheiro que as outras em um relacionamento são abusivas por definição.

Mas, acima de tudo, quase todo agressor é financeiramente abusivo, porque é uma forma muito eficaz de obter controle.

Quando você controla o dinheiro, geralmente controla todo o resto.

Infelizmente, é incomum que uma pessoa que ganha muito mais do que seu parceiro o veja e trate com igualdade.

BBC - Os trabalhadores da indústria petrolífera ganham muito dinheiro, mas as condições de trabalho são precárias e eles não veem as suas famílias com frequência. O dinheiro que ganham compensa tudo isso?

Lasley - Não. Porque na realidade já não ganham tanto como antes. Nas décadas de 70 e 80 ganhavam muito, mas desde então os salários têm caído.

Quando entrevistei trabalhadores, conheci um casal que me disse que estava feliz. Mas isso pode ser devido à disposição: há pessoas que são felizes em quase todas as circunstâncias.

A maioria dos trabalhadores estava deprimida e sempre de mau humor.

BBC - É um setor onde a grande maioria dos trabalhadores tende a ser homens, e você começou a escrever o livro querendo saber como são os homens quando não há mulheres ao seu redor. Como eles agem e o que fazem? De que falam?

Lasley - Nunca soube realmente como são os homens quando não há mulheres por perto, porque sou mulher.

Isso alterou a interação entre eles e é por isso que parte da premissa do meu livro falhou.

Mas embora nunca tenha descoberto em primeira mão como os homens realmente eram, consegui ter uma ideia.

Um ambiente de trabalho puramente masculino tem um efeito muito negativo sobre os homens.

Há muita misoginia nas plataformas petrolíferas, porque muitos dos homens que lá trabalham são mais velhos, já se divorciaram uma ou duas vezes e carregam uma espécie de ressentimento em relação às mulheres que transmitem aos mais jovens.

Observa-se o mesmo mau comportamento que se verifica em outros locais onde há grande aglomeração de homens, como em torcidas de futebol ou presídios. As mulheres têm um efeito civilizador sobre os homens.

BBC - Você acha que esse efeito civilizatório se deve à classe social e que há mais igualdade entre mulheres e homens quando têm rendas semelhantes?

Lasley - Completamente. Penso que, pelo menos hoje no Reino Unido, na classe média importa cada vez menos se somos homens ou mulheres. Ambos os sexos têm rendimentos mais ou menos semelhantes e têm mais ou menos o mesmo poder.

Eles também têm amigos de ambos os sexos, ao contrário das classes mais baixas, onde isso é mais raro.

Em Londres, por exemplo, meu ex-namorado era muito controlador, mas nunca teve problemas com o fato de eu ter amigos homens.

Foi muito diferente em Aberdeen, onde os trabalhadores das plataformas petrolíferas me disseram que não podiam ter amigas. Eles achavam estranho ter amigas.

Quanto mais baixa a classe social, mais diferentes são as mulheres e os homens entre si.

E isso acontece porque os papéis de gênero são muito mais definidos. As mulheres em casa e os homens ganhando mais dinheiro.

BBC - Um desses trabalhadores chamou você de prostituta e disse que você parecia fácil. Você o desafiou e alguém lhe disse para ignorá-lo porque era assim que os caras falavam lá. Você aprendeu a ignorar esse tipo de misoginia?

Lasley - Ele não foi o único que me chamou de prostituta.

Nunca aprendi a ignorar esse tipo de comportamento, mas fiquei mais forte no final da minha estada lá.

Lembro-me de lágrimas enchendo meus olhos na primeira vez que alguém me chamou de prostituta. Senti que ia chorar, mas disse a mim mesmo: "Não chore".

Eu não estava acostumada a ouvir insultos assim.

BBC - Você se apaixonou pelo primeiro homem que entrevistou para o livro. O que você lembra dessa história de amor? Você sabia que isso terminaria em catástrofe?

Lasley - Sim, uma pena! Acho que todos ao meu redor sabiam que a história iria acabar mal, menos eu.

Ficamos juntos por cinco meses, mas tudo foi muito dramático.

Lembro-me de ter pensado: "Uau, minha vida agora parece uma novela".

Todos os dias havia uma reviravolta. Todos os dias algo acontecia. Aquele cara foi um desastre, virou minha vida de cabeça para baixo como um tornado.

Ele fez muito drama durante cinco meses e depois desapareceu durante a noite.

BBC - A esposa dele descobriu o que estava acontecendo e iniciou uma campanha de abusos contra você, insultando-a e culpando-a pela infidelidade do marido dela, mas depois o perdoou. É uma história que ouvimos com frequência, por quê?

Lasley - Porque ele tinha todo o dinheiro. Ele pensou em esconder todo o seu dinheiro em um "fundo guarda-chuva" para evitar que sua esposa ficasse com o dinheiro, mas desistiu.

Muitas pessoas perdoam parceiros infiéis porque no final dá muito trabalho romper um casamento, principalmente se você tem filhos e fica um tempo sem trabalhar porque desistiu da carreira para cuidar dos filhos.

De qualquer forma, esse homem com quem fiquei era um mentiroso. Sua esposa provavelmente se casou com ele sabendo disso e aceitou.

Não foi a primeira vez que ele a traiu, a novidade é que dessa vez ele a abandonou e, por isso, ela enlouqueceu.

BBC - Você viu algum tipo de autorreflexão nele?

Lasley - Não, nada. Ele terminou com ela depois de me ver seis vezes, isso não é normal.

Perguntei várias vezes se ele tinha certeza de que queria deixar a esposa e começar algo comigo, porque ele não me conhecia bem.

Eu disse a ele que lhe custaria muito dinheiro deixar a esposa, mas ele não me ouviu. Acho que ele estava ruim da cabeça.

Depois que ele disse à esposa que a estava deixando, ela contratou um advogado que lhe disse que ela deveria pagar-lhe 1.400 libras (R$ 8,7 mil) por mês e, ao saber disso, ele decidiu que não estava mais apaixonado por mim.

Definitivamente não havia nada de auto-reflexivo nele. Ele é alguém que culpa todos os outros por seus erros.

Se ele estava em um casamento infeliz, a culpa era da esposa e, depois que ele a deixou e teve problemas, a culpa passou a ser minha.

BBC - Um dos trabalhadores te disse: "Na verdade, nenhum homem quer se casar". Mas muitos deles se casaram.

Lasley - Foi ele mesmo quem me disse isso. Sua esposa foi esperta ao insistir que eles se casassem porque isso lhe dava alguma proteção e segurança financeira.

Muitos não se casam e se envolvem com uma mulher com quem convivem há anos até arranjarem uma nova que gostem mais e deixarem a outra na pobreza e com filhos que terão que criar sozinhas.

Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp
Ícone do telegram

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br