Acidente

Ex-presidente do Chile Sebastián Piñera morre em acidente de helicóptero

Sebastián Piñera estava em aeronave que se acidentou em Lago Ranco, na região central do país

 (FILES) Chilean former president (2010-2014) and candidate for
(FILES) Chilean former president (2010-2014) and candidate for "Chile Vamos" party, Sebastian Pinera, gives a speech during a rally in Santiago on October 30, 2017. The former President of Chile, Sebastian Piñera, died this Tuesday February 6, 2024 in a helicopter accident in Lago Ranco, a vacation area 920km south of Santiago, his office reported. (Photo by Martin BERNETTI / AFP) - (crédito: Martin BERNETTI / AFP)
postado em 06/02/2024 16:28 / atualizado em 06/02/2024 19:27

Nesta terça-feira (6/2), o ex-presidente do Chile Sebastián Piñera morreu em um acidente de helicóptero. As informações são do jornal espanhol ABC.

A publicação aponta que a aeronave em que estava Piñera teve problemas devido a condições meteorológicas ruins. O acidente aconteceu em Lago Ranco, na região central do país. 

Economista e empresário, Piñera ocupou a Presidência do Chile entre 2010 e 2014 e novamente entre 2018 e 2022. Ele tinha 74 anos.

Sebastián Piñera, 'a locomotiva' de direita que governou o Chile duas vezes

Ex-acionista da empresa de aviação chilena LAN - hoje a multinacional LATAM -, de um canal de televisão e do clube de futebol Colo Colo, Piñera  foi o primeiro presidente de direita no Chile desde o retorno da democracia após a ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990).

A revista Forbes chegou a avaliar a fortuna em US$ 2,4 bilhões (cerca de R$ 11,9 bilhões).

Entusiasmado e sempre ativo, Piñera, que havia completado 74 anos em 1º de dezembro, fez doutorado em Economia na Universidade de Harvard e era conhecido por pilotar seu próprio helicóptero.

Casado com Cecilia Morel, pai de quatro filhos e com nove netos, foi presidente do Chile duas vezes, entre 2010 e 2014 e entre 2018 e 2022.

"Terá todas as honras e reconhecimentos republicanos que merece", disse a ministra do Interior, Carolina Tohá, do governo de esquerda do presidente Gabriel Boric, logo após a publicação da notícia.

Filho de um ex-embaixador democrata-cristão, foi o único grande empresário chileno abertamente opositor a Pinochet. Eleito senador com a volta da democracia, se alinhou com a centro-esquerda em votações cruciais no Congresso, o que fez ser visto com desconfiança pelos setores radicais da direita. Liderou a renovação da direita na chamada "Patrulha Juvenil". Desses tempos vem seu apelido de "A Locomotiva".

No primeiro governo, liderou os trabalhos de reconstrução do país após o potente terremoto de 27 de fevereiro de 2010, e o bem-sucedido resgate dos 33 mineiros presos no Atacama. Fiel a seu estilo, percorreu o mundo com uma mensagem de vida dos trabalhadores presos no interior de uma mina de cobre no deserto chileno.

Ganhou o segundo mandato em 2017 sob o lema "Una-se a tempos melhores", mas na segunda passagem pelo La Moneda não teve a mesma sorte, já que foram quatro anos de distúrbios sociais, desabamento da confiança nas instituições e uma profunda desconexão entre a sociedade e a elite.

O cenário político chileno deu uma guinada radical após as revoltas sociais de outubro de 2019. Protestos multitudinários desencadeados pelo aumento da passagem do metrô se transformaram em uma ampla reclamação contra um modelo de livre mercado com a ausência do Estado na educação, saúde e aposentadorias, sem bem estar social.

Depois vieram a pandemia do coronavírus e a recessão econômica, mas quando os sinais de recuperação davam um respiro ao mandatário, a publicação dos "Pandora Papers" sobre a venda da mineradora Dominga em 2010 por parte de uma empresa de seus filhos voltaram a salpicar sua imagem.

O caso levou o Ministério Público a abrir uma investigação criminal e a oposição a apresentar uma acusação no Parlamento, onde foi considerado inocente por uma margem apertada.

Com informações de AFP.

Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp
Ícone do telegram

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação