MEIO AMBIENTE

Monte Everest: por que alpinistas terão que levar suas próprias fezes na descida da montanha

O aumento de turistas no local também significa um aumento de resíduos deixados

Muitos montanhistas usam espaços abertos para fazer as necessidades nos acampamentos mais altos do Everest -  (crédito: Getty Images)
Muitos montanhistas usam espaços abertos para fazer as necessidades nos acampamentos mais altos do Everest - (crédito: Getty Images)
BBC
Navin Singh Khadka - Correspondente de meio ambiente
postado em 09/02/2024 12:10 / atualizado em 09/02/2024 15:59

Alpinistas que forem escalar o Monte Everest terão, a partir de agora, que recolher as próprias fezes e levá-las de volta ao acampamento base para descarte, segundo autoridades nepalesas.

"Nossas montanhas começaram a feder", diz Mingma Sherpa, presidente da municipalidade rural de Pasang Lhamu, responsável pela região e que implementou a nova regra como parte de medidas mais amplas.

"Estamos recebendo reclamações de que fezes humanas estão visíveis em rochas e alguns montanhistas estão adoecendo. Isso não é aceitável e prejudica nossa imagem", acrescentou ele à BBC.

Os alpinistas que forem tentar subir o Monte Everest, a montanha mais alta do mundo, e a vizinha Monte Lhotse serão instruídos a comprar e levar "sacos para fezes" no acampamento base, que serão "verificados ao retornar".

Onde fazer as necessidades em uma montanha?

Durante a temporada de escalada, alpinistas passam a maior parte do tempo no acampamento base se acostumando à altitude. Neste, há tendas separadas com toaletes, com barris embaixo para coletar os dejetos.

Mas uma vez que começam sua jornada perigosa, as coisas ficam mais difíceis.

A maioria dos alpinistas e as equipes de apoio costumam cavar um buraco para fazer as necessidades, mas à medida que se sobe na montanha, algumas áreas têm menos neve, então é preciso fazer as necessidades ao ar livre.

Devido às temperaturas extremas - a mais baixa já registrada no Monte Everest foi de -42°C - as fezes deixadas no caminho não se degradam completamente.

Muito poucas pessoas trazem suas fezes de volta em sacos biodegradáveis ao escalar o cume do Monte Everest, que pode levar até quatro semanas.

O lixo continua sendo um grande problema no Everest e em outras montanhas da região, apesar do aumento nas campanhas de limpeza - como a realizada anualmente pelo Exército Nepalês.

'Toalete a céu aberto'

"O problema dos resíduos continua sendo uma questão importante, especialmente nos acampamentos mais elevados onde não é fácil chegar", afirma Chhiring Sherpa, CEO da organização não governamental Comitê de Controle de Poluição de Sagarmatha (SPCC, na sigla em inglês).

Embora não exista uma cifra oficial, sua organização estima que haja cerca de três toneladas de fezes humanas entre o acampamento um, na base do Everest, e o acampamento quatro, o último antes do cume.

"Metade disso está nos arredores do South Col, também conhecido como acampamento quatro", diz Chhiring Sherpa.

Stephan Keck, um guia de montanha que organiza expedições ao Everest, afirmou que o South Col ganhou a reputação de ser um "toalete a céu aberto".

A 7.906 metros de altitude, o South Col serve como base antes dos alpinistas tentarem os cumes do Everest e do Lhotse. Nesse ponto, o terreno é fortemente varrido pelo vento.

"Quase não há gelo e neve, então você verá fezes humanas por toda parte", diz Keck.

Autorizado pela municipalidade rural de Pasang Lhamu, o SPCC está agora adquirindo cerca de 8 mil sacos de fezes dos Estados Unidos, para aproximadamente 400 alpinistas estrangeiros e 800 membros da equipe de apoio na próxima temporada de escalada, que começa em março.

Os sacos de fezes contêm produtos químicos e pós que solidificam as fezes humanas, tornando-as em grande parte inodoras.

Em média, acredita-se que um alpinista produza 250 gramas de fezes por dia. Eles geralmente passam cerca de duas semanas nos acampamentos mais altos para a tentativa de alcançar o cume.

"Planejamos fornecer a eles dois sacos, cada um dos quais podem ser usados de cinco a seis vezes", explica Chhiring Sherpa.

"Certamente é algo positivo, e ficaremos felizes em desempenhar nosso papel para tornar isso bem-sucedido", diz Dambar Parajuli, presidente da Associação de Operadores de Expedições do Nepal.

A organização sugeriu que isso deveria ser inicialmente implementado como um projeto-piloto no Everest e depois replicado em outras montanhas também.

Mingma Sherpa, o primeiro nepalês a ter escalado todas as 14 montanhas com mais de 8 mil metros, disse que o uso desses sacos para gerenciar resíduos humanos foi testado e comprovado em outras montanhas.

"Montanhistas têm utilizado esses sacos no Monte Denali (a montanha mais alta da América do Norte) e na Antártida também, é por isso que temos defendido isso", diz Sherpa, que também é conselheiro da Associação de Montanhismo do Nepal.

O governo do Nepal introduziu diversas regras para serem seguidas nas escaladas de montanhas no passado, mas críticos disseram que muitas delas não foram devidamente implementadas.

Uma das principais razões é a ausência de oficiais para monitoraram as expedições no local. Muitos dos que estavam previstos para acompanharem equipes nos acampamentos base simplesmente não compareceram.

"O Estado sempre esteve ausente nos acampamentos base, levando a todo tipo de irregularidades, incluindo pessoas escalando nossas montanhas sem permissão", afirma Sherpa, o presidente da municipalidade rural de Pasang Lhamu.

"Isso tudo mudará agora. Vamos estabelecer um escritório de contato e garantir que nossas novas medidas, incluindo a de fazer os escaladores trazerem de volta suas fezes, sejam implementadas."

Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp
Ícone do telegram

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br