EUA

Democratas conquistam vaga de George Santos no Congresso

George Santos, filho de imigrantes brasileiros, foi destituído em dezembro pelo Congresso, após denúncias de diversas irregularidades e crimes financeiros

Eleito deputado, George Santos alterou currículo: pressão 
para renunciar -  (crédito: AFP)
Eleito deputado, George Santos alterou currículo: pressão para renunciar - (crédito: AFP)
postado em 14/02/2024 11:32

Os eleitores de uma área dos subúrbios de Nova York escolheram na terça-feira (13/2) um democrata para substituir o congressista republicano de origem brasileira George Santos, que foi expulso da Câmara de Representantes dos Estados Unidos.

Os canais CNN e NBC News projetaram a vitória de Tom Suozzi na disputa contra a republicana Mazi Pilip, em uma votação que foi afetada por uma nevasca.

Suozzi, um político veterano que já havia ocupado a cadeira na Câmara antes de disputar, sem sucesso, o cargo de governador do estado de Nova York, cumprirá os 11 meses restantes do mandato de Santos.

O legislador republicano de 35 anos, filho de imigrantes brasileiros, foi destituído em dezembro pelo Congresso, após denúncias de diversas irregularidades e crimes financeiros.

Santos foi o terceiro legislador expulso do Congresso dos Estados Unidos desde a Guerra Civil, após um processo que antes era reservado a traidores e criminosos condenados.

A comissão que investigou Santos o acusou de utilizar dinheiro de doadores para tratamentos com botox e para pagamentos no site OnlyFans, além de artigos de luxo e para pagar férias. Ele nega qualquer conduta inadequada.

A vitória democrata reduz ainda mais a estreita maioria dos republicanos na Câmara de Representantes.

O prefeito da cidade, o democrata Eric Adams, afirmou que a vitória de Suozzi é "uma boa notícia para Nova York".

Os dois partidos travaram uma campanha agressiva: os republicanos tentaram mostrar Suozzi como alguém brando com a imigração ilegal e os democratas atacaram as posições contrárias ao aborto de Pilip.

A imigração e o aborto são temas políticos centrais quando o país se prepara para as eleições presidenciais de novembro, que provavelmente serão uma reedição da disputa de 2020 entre o presidente Joe Biden e Donald Trump.

Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp
Ícone do telegram

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br