Irlanda

Mulher tem indenização por invalidez negada após vencer prova de arremesso de árvore

De acordo com o jornal irlandês, o tribunal também mostrou vídeos da mulher brincando um cachorro dálmata "grande e forte" por uma hora e meia

Imagem ilustrativa de pinheiro  -  (crédito: Unsplash/ Kayla Warner)
Imagem ilustrativa de pinheiro - (crédito: Unsplash/ Kayla Warner)
postado em 26/02/2024 17:58

Uma mulher da Irlanda que alegou ter sofrido lesões "incapacitantes" em um acidente de carro teve um pedido de indenização negado pela Justiça após a revelação de uma foto sua participando de um concurso de arremesso de árvores de Natal. O caso foi relevado pelo Irish Independet.

Kamila Grabska, de 36 anos, declarou ao tribunal, em uma audiência na qual reivindicava 760 mil euros por indenização, que ficou incapacitada de trabalhar por mais de cinco anos, por dores nas costas, no pescoço e na coluna, após uma acidente de carro em 2017. Ela movia um processo contra a seguradora por danos após o acidente.

Uma foto tirada pelo Irish Independent em 8 de janeiro de 2018 e apresentada durante a audiência, porém, a desmentiu. Na imagem, Kamila aparece lançando uma árvore de Natal em um concurso de arremesso, no qual ela saiu vitoriosa. De acordo com o jornal irlandês, o tribunal também mostrou vídeos da mulher brincando um cachorro dálmata "grande e forte" por uma hora e meia.

As imagens contradiziam provas médicas apresentadas pela defesa de Kamila, que alegavam que ela conseguia levantar apenas um copo d'água ou uma bolsa leve sem sentir dor. A mulher também argumentou que não conseguia brincar com seus filhos e frequentemente dependia de remédios para sair da cama.

Esquecimento

O advogado da seguradora RSA Ireland, Murray Johnson, questionou Kamila se ela alguma vez contou a algum dos vários médicos que visitou desde o acidente sobre a vitória na prova de lançamento de árvores de Natal. "Não, porque esqueci", respondeu, acrescentando que sentiu dores ao fazer o arremesso.

"Você tinha um grande sorriso no rosto ao atirar a árvore", contestou o advogado. "Eu estava sorrindo, mas isso não significa que não senti dor", respondeu Kamila, argumentando que "estava tentando viver uma vida normal".

Como resultado, a juíza Carmel Stewart disse que tinha uma "imagem muito gráfica" de Kamilla jogando a árvore de Natal e que as provas médicas apresentadas por ela estavam "completamente em desacordo" com o lançamento da árvore de Natal.

Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp
Ícone do telegram

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br