MODA

Morre o estilista italiano Roberto Cavalli, aos 83 anos

Chiffon e seda, transparências, sensualidade e estampas animal print se tornaram marca registrada dele no mundo da moda

Roberto Cavalli deixou seis filhos e um legado na alta costura -  (crédito: Luis ROBAYO / AFP)
Roberto Cavalli deixou seis filhos e um legado na alta costura - (crédito: Luis ROBAYO / AFP)
postado em 12/04/2024 17:34 / atualizado em 12/04/2024 17:34

Morreu nesta sexta-feira (12/4) o estilista italiano Roberto Cavalli, aos 83 anos. Ele morava em Florença e, de acordo com a mídia italiana, estava "doente fazia tempo". Deixou seis filhos e um legado na alta costura.

Cavalli nasceu em 15 de novembro de 1940 e se tornou órfão cedo, quando o pai foi levado por nazistas em Arezzo, no centro da Itália.

Formou-se na Academia de Artes de Florença. Nos anos 1970, começou a trabalhar com estampas em couro, criando patchwork de diferentes materiais e cores. Nesta época, apresentou no Salão de Paris sua primeira coleção.

Em Saint-Tropez, na França, abriu um negócio de jeans usados e customizados de maneira única, que atraía celebridades como Brigitte Barsot e Mick Jagger.

Na segunda metade dos anos 1990, o sucesso da marca Roberto Cavalli alcançou 36 países. Chiffon e seda, transparências, sensualidade e estampas animal print se tornaram sua marca registrada.

Em sua última entrevista, o estilista afirmou que seu vestido preferido era um modelo com cabeça de tigre estampada que Cindy Crawford vestiu na Piazza di Spagna, em Roma. "Era lindo e me representava, porque falava de natureza como as fotos das minhas flores e dos meus animais. Depois, muitos copiaram, mas bastou para mim ser o primeiro", lembrou.

Vestido de Roberto Cavalli
Vestido de Roberto Cavalli (foto: Mondo Magazine Fashion/Reprodução)

Em 2015, a marca Roberto Cavalli foi vendida e, em 2019, mudou de dono novamente, passando para as mãos da Vision Investment Co.

"O que me faz falta é criar", dizia ele nos últimos anos, de acordo com o jornal italiano Corriere della Sera. "Me sinto incapaz, incapaz por tudo aquilo que não faço, mas gostaria de fazer. [...] Minha força creativa ainda está inteira dentro de mim, não sairá jamais. Continuo a me expressar com a fotografia, assim vivo".

Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp
Ícone do telegram

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação