OPINIÃO

Digna e legítima representante dos brasileiros na COP26

Correio Braziliense
postado em 05/11/2021 06:00

Enquanto a elite da classe política mundial, formada toda ela por homens brancos e essencialmente urbanos, buscavam na COP26 uma fórmula de consenso, capaz de parar o relógio que marca o fim de um planeta habitável, quando ele indica faltar menos de um minuto para o apocalipse total da meia-noite, uma pequena índia, representante do povo Paiter Suruí, de Rondônia, assumia a tribuna, com seus trajes típicos, para pronunciar o que talvez seja o mais importante discurso ouvido em toda essa reunião.

Para muitos, essa foi a melhor representante que o Brasil poderia ter no encontro, por sua clareza de propósitos, seus ensinamentos diretos e por ser parte integrante do drama vivido, atualmente, pelos indígenas que habitam este continente. Suas credenciais profissionais e sua luta pessoal contra o fim das florestas merecem um destaque à parte.

Com apenas 24 anos, a índia Txai Suruí, cujo nome completo é Walelasoetxeige Suruí, é estudante de direito, trabalha no Departamento Jurídico da Associação de Defesa Etnoambiental Kanindé, em Rondônia.

Ela é líder e fundadora do Movimento da Juventude Indígena no estado e considerada referência em assuntos relacionados à causa indígena na região. Txai é representante da Guardians of Forest, uma aliança de comunidades que protege as florestas tropicais em todo o mundo, além de conselheira da Aliança Global Amplificando Vozes para Ação Climática Justa e voluntária da organização Engajamundo. Foi representante de seu povo na Conferência do Clima na Organização das Nações Unidas (ONU) — COP25 —, realizada em Madri.

Consta ainda de seu respeitado currículo a participação como primeira reitora indígena do Centro Acadêmico de Direito da Universidade Federal de Rondônia. Txai Suruí exerce também atividades e lutas em prol da justiça ambiental e social para todos, integrando o Conselho Deliberativo do WWF-Brasil.

Com um cartão de visitas desse porte, Txai estava mais do que credenciada para o tema ambiental e as calamidades, provocadas pela má atuação do homem branco do que a maioria dos chefes de Estado presentes à COP26.

Essa coluna toma a liberdade de apresentar na íntegra o discurso certeiro de Txai na abertura da COP26, por sua importância e por suas lições que devem, neste momento grave da humanidade, ser apreendido e respeitado, como um sinal de que há ainda esperanças de nos redimirmos do nosso comportamento errático nesse planeta, bastando, para isso, seguir o conselho de quem mais entende de florestas, que é o povo indígena ou, como bem chamados, povos da floresta.

" Meu nome é Txai Suruí, eu tenho só 24 anos, mas meu povo vive há pelo menos 6 mil anos na Floresta Amazônica. Meu pai, o grande cacique Almir Suru, me ensinou que devemos ouvir as estrelas, a Lua, o vento, os animais e as árvores. Hoje, o clima está esquentando, os animais estão desaparecendo, os rios estão morrendo, nossas plantações não florescem como antes. A Terra está falando. Ela nos diz que não temos mais tempo. Uma companheira disse: vamos continuar pensando que, com pomadas e analgésicos, os golpes de hoje se resolvem, embora saibamos que amanhã a ferida será maior e mais profunda? Precisamos tomar outro caminho com mudanças corajosas e globais. Não é 2030 ou 2050, é agora! Enquanto vocês estão fechando os olhos para a realidade, o guardião da floresta Ari Uru-Eu-Wau-Wau, meu amigo de infância, foi assassinado por proteger a natureza. Os povos indígenas estão na linha de frente da emergência climática, por isso, devemos estar no centro das decisões que acontecem aqui. Nós temos ideias para adiar o fim do mundo. Vamos frear as emissões de promessas mentirosas e irresponsáveis; vamos acabar com a poluição das palavras vazias, e vamos lutar por um futuro e um presente habitáveis. É necessário sempre acreditar que o sonho é possível. Que a nossa utopia seja um futuro na Terra."

Obrigada!

CONTINUE LENDO SOBRE