Visão do Correio

Lições da covid após quatro anos

A ministra Nísia Trindade anunciou a criação de um memorial para as vítimas da doença. O local escolhido é o Centro Cultural do Ministério, localizado no Rio de Janeiro.

 Bras..lia, DF 11/03/2024 . A ministra da Sa..de, Nisia Trindade, participa da abertura do  Semin..rio para Concep....o e Cria....o do Memorial da Pandemia da Covid-19  Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/ Ag..ncia Brasil
     -  (crédito:  Fotográfo/Agência Brasil)
Bras..lia, DF 11/03/2024 . A ministra da Sa..de, Nisia Trindade, participa da abertura do Semin..rio para Concep....o e Cria....o do Memorial da Pandemia da Covid-19 Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/ Ag..ncia Brasil - (crédito: Fotográfo/Agência Brasil)
postado em 12/03/2024 06:00 / atualizado em 12/03/2024 06:00

Quatro anos depois de a Organização Mundial da Saúde declarar uma pandemia global de covid-19, o governo federal estabeleceu um marco no Brasil para a doença que matou 710 mil no país. A ministra Nísia Trindade anunciou a criação de um memorial para as vítimas da doença. O local escolhido é o Centro Cultural do Ministério, localizado no Rio de Janeiro.

Como acontece com iniciativas semelhantes, o memorial tem por finalidade servir de reflexão permanente sobre a doença que devastou o país entre 2020 e 2022 e ainda constitui um relevante problema grave no Sistema Único de Saúde, bem como na rede privada de atendimento. "Não circunscrevemos a pandemia de covid-19 ao passado. Como todas as reflexões sobre memória, sabemos do componente presente, político, das ações de memória. E, ao mesmo tempo, lembramos que, a despeito de termos superado a emergência sanitária, nós não superamos a covid-19 como problema de saúde pública", afirmou Nísia Trindade.

Em números absolutos, o morticínio provocado pela covid-19 no Brasil encontra paralelo com os Estados Unidos, onde a pandemia causou mais de 1 milhão de óbitos, e na Índia, país que acumula mais de 530 mil mortes. Dirão os negacionistas da pandemia que, considerando os dados proporcionais, o Brasil está em situação menos dramática do que em nações como Peru, que contabiliza uma média 6 mil óbitos por milhão de habitantes. Nesse critério, o Brasil ocupa a 18ª posição, com aproximadamente 3,2 mil mortes por milhão de habitantes.

Independentemente das variações estatísticas, é consenso entre autoridades sanitárias que a covid-19 provocou um flagelo no país. O avanço devastador da pandemia extenuou o Sistema Público de Saúde — que, de resto, mostrou-se fundamental no enfrentamento da doença; revelou a vulnerabilidade do Brasil no desenvolvimento de vacinas; escancarou o negacionismo em parcelas da sociedade brasileira, muitas vezes estimulado por agentes do poder público; gerou profundo impacto em diversos setores da economia, muitos dos quais ainda em fase de recuperação. Isso sem mencionar os traumas na sociedade, com milhões de famílias e empresas tentando se reerguer após a partida repentina de pais, mães, avôs, avós, tios, trabalhadores, pesquisadores, cidadãos.

É precisamente por causa do propósito de lembrar o país dos danos, muitas vezes irreversíveis, causados pela covid-19 que o memorial anunciado pelo Ministério da Saúde tem sua relevância. Passados quatro anos da eclosão do novo coronavírus, o Brasil ainda enfrenta séria batalha contra a doença. Em 2024, a covid-19 tem registrado uma média de 200 mortes a cada semana epidemiológica. É como se caísse um avião toda semana no Brasil. A dengue, apesar de se encontrar em crescente estágio de emergência em diversos estados e no Distrito Federal, registra oficialmente 363 mortes, e outras 763 em investigação.

Em ambas as graves moléstias, apesar das especificidades, o desafio é um só: investir em prevenção, tratamento e, não menos importante, no fomento à pesquisa. Dada a magnitude que essas patologias adquiriram no país continental e de profundas desigualdades, é fundamental uma ação permanente e coordenada, que envolva os três entes federativos, para evitar a ocorrência de novas tragédias. É dever do Estado combater covid-19 e dengue de maneira incansável; é dever de todo brasileiro contribuir com essa causa. Esse é o sentido mais profundo de iniciativas como o memorial anunciado ontem.

Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp
Ícone do telegram

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br