Medicina

Ayahuasca e saúde cognitiva: esclarecendo equívocos

Pesquisas demonstram que o uso prolongado de ayahuasca não prejudica a função cognitiva. Afirmações arbitrárias e desinformadas, sim.

Ayahuasca é seguro de tomar? Estudo mostra que pode causar efeitos adversos -  (crédito: Daniel Perkins, CC-BY 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/))
Ayahuasca é seguro de tomar? Estudo mostra que pode causar efeitos adversos - (crédito: Daniel Perkins, CC-BY 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/))
postado em 01/04/2024 06:00

*Lucas Maia

No Brasil, milhares de pessoas utilizam a ayahuasca regularmente. Portanto, é fundamental que elas tenham acesso a informações com um embasamento científico mais apurado. Então, primeiramente, vamos aos dados essenciais: pelo menos cinco estudos compararam a performance cognitiva de usuários de longa data de ayahuasca com um grupo controle de indivíduos que nunca haviam consumido a bebida. Ao todo, mais de 200 usuários de ayahuasca foram avaliados — muitos deles com um mínimo de 15 anos de uso regular da bebida — por meio de testes de memória, atenção e funções executivas, como planejamento e resolução de problemas.

Os resultados desses estudos demonstraram que não houve comprometimento cognitivo no grupo de usuários de ayahuasca. Pelo contrário, em quatro dos cinco estudos, os indivíduos que faziam uso da bebida apresentaram uma performance melhor em diversos testes realizados e essas diferenças foram mantidas na avaliação feita um ano depois.

Além desses estudos, uma série de outros trabalhos avaliou diferentes aspectos da cognição em usuários de ayahuasca experientes, usuários ocasionais e pessoas sem experiência prévia com a bebida. Um levantamento realizado pela biomédica Joice Cruz Jatobá na Universidade Federal de Uberlândia identificou 16 estudos publicados entre 2013 e 2021.

Após analisar detalhadamente cada um desses trabalhos, a conclusão da revisão indica efeitos benéficos potenciais da ayahuasca sobre a flexibilidade cognitiva. Esse termo refere-se à habilidade do indivíduo em alternar estratégias cognitivas e comportamentais em resposta às demandas do ambiente, ou, de forma mais informal, "se adaptar" às situações conforme necessário.

Além disso, observou-se um impacto positivo nas capacidades de atenção plena, também conhecidas como mindfulness, como a capacidade de assumir posturas de não julgar e não reagir a pensamentos e emoções. Essas habilidades estão intrinsecamente ligadas ao bem-estar psicológico e são alvos de mudança em intervenções psicoterapêuticas. Tais benefícios parecem estar relacionados aos efeitos terapêuticos da ayahuasca no tratamento da depressão, do uso problemático de substâncias e de outros transtornos mentais.

Ainda é importante destacar que esses benefícios potenciais da ayahuasca sobre a cognição podem estar relacionados a uma melhor saúde física e psicológica de modo geral entre as pessoas que fazem uso da bebida. Estudos realizados na Espanha e na Holanda, com mais de 700 usuários de longo prazo, constataram que eles tinham menos doenças crônicas e limitações físicas, índices menores de colesterol e pressão arterial, melhores hábitos alimentares e de atividades físicas e contemplativas. Além disso, 56% dos participantes da Espanha relataram ter reduzido o uso de medicamentos prescritos devido ao uso da ayahuasca. Também é conhecido que muitas pessoas reduziram significativamente ou pararam de fumar ou ingerir bebidas alcoólicas depois que começaram a frequentar cerimônias de ayahuasca.

Por fim, é importante mencionar os estudos realizados em animais de laboratório, que possibilitam investigar possíveis efeitos tóxicos de substâncias sobre o cérebro. Um levantamento recentemente conduzido por pesquisadores de quatro diferentes universidades brasileiras identificou 32 estudos que envolveram a administração de ayahuasca em animais de laboratório, principalmente ratos e camundongos. As conclusões dessas pesquisas indicam que, do ponto de vista toxicológico, a ayahuasca é considerada segura nas doses normalmente utilizadas em rituais.Portanto, respondendo — de forma mais apropriada — à pergunta da paciente: "O chá de ayahuasca pode estar deixando meu cérebro ineficiente?" A resposta é: "Não, não há evidências de que isso seja provável".

Doutor em saúde mental pela Unicamp e pesquisador pós-doutorado no Instituto do Cérebro da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)*

 

Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp
Ícone do telegram

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação